As plataformas estão a mudar o equilíbrio do poder das empresas, governos e países. 

As plataformas digitais assumiram um estatuto estruturante sobre o quotidiano dos europeus e, embora os benefícios sejam evidentes, as dinâmicas do mercado digital global geraram fenómenos de concentração de poder e de influência política e social circunscritos a um número bastante reduzido de operadores, com riscos de caráter sistémico igualmente evidentes.

Mas nem sempre é possível aproveitar o potencial das novas tecnologias sem alterar como se organizam as atividades económicas.

Quando se compara ecossistemas empresariais com os ecossistemas baseados em plataformas, incluindo o papel da tecnologia digital, o ecossistema baseado em plataformas torna-se global por natureza com milhares de milhões de utilizadores e inúmeros interlocutores operacionais.


Economia baseada em Plataformas

As plataformas digitais são a forma predominante de organização da atividade económica no século XXI. Há definições variadas, mas há consenso de que plataformas digitais coordenam e intermedeiam transações, monetárias ou não, entre dois ou mais grupos via Internet. O ambiente virtual propicia que essa intermediação mobilize ferramentas inteligentes, como algoritmos de recomendação, motores de pesquisa e a classificação de informação.

nial-ferguson-leitura-plataformasdigitais

A transição para uma economia baseada em plataformas, no século XXI, é resumida pelo historiador Niall Ferguson, no seu livro The Square and the Tower: Networks and Power.
O autor refere que a maior parte da história é hierárquica: descreve papas, presidentes e líderes revolucionários.

Nenhum indivíduo, por mais talentoso que seja, tem a capacidade de enfrentar todos os desafios da governação imperial, e quase ninguém é capaz de resistir às tentações corruptoras do poder absoluto. 

Uma das principais diferenças institucionais da economia de plataformas é o papel do ecossistema.

E um dos assuntos do momento é o entendimento sobre a forma de reconhecer um contrato de trabalho entre um trabalhador e uma plataforma digital, ou seja, a vinculação com a plataforma ou com «uma empresa que nela opere». 

Esta é a prova de que a força dos ecossistemas é desenvolvida e alimentada não por regiões ou governos, mas por organizações de plataformas. 

A governação dos ecossistemas — isto é, as regras para quem entra numa plataforma e o que constitui um bom comportamento — é determinada pelos proprietários da empresa da plataforma.


Empreendedorismo na era digital

Existe uma lacuna significativa na conceptualização do empreendedorismo na era digital precisamente porque ignorou o papel fundamental do conhecimento como um recurso na economia. 

A grande transformação tecnológica está a trabalhar a sociedade do valor-trabalho para a sociedade do valor-dados ou valor-informação.


Ecossistema Empresarial

Para colmatar esta lacuna, Sussan e Acs (2017) idealizaram o Ecossistema Empresarial Digital, com a seguinte estrutura:

(1) Cidadania do Utilizador Digital, que inclui utilizadores do lado da procura e do lado da oferta; 

(2) Empreendedorismo Tecnológico Digital, que inclui criadores de aplicações e vários agentes que contribuem para a inovação empresarial, experimentação e criação de valor em plataformas; 

(3) Plataformas Digitais Multifacetadas, que orquestram atividades sociais e económicas entre utilizadores e agentes; 

(4) Infraestruturas Tecnológicas Digitais, que pertencem a todos os regulamentos que regem as atividades técnicas, sociais e económicas da tecnologia digital (Fig. 2.1).


Cidadania do utilizador digital

A proteção da privacidade dos utilizadores é fundamental para uma cidadania do utilizador digital saudável e ativo. 

Se a confiança do público for corroída, a sustentabilidade do ecossistema empresarial digital sofre. 

A erosão da confiança nas plataformas pode levar a um declínio na atividade ou na adesão dos utilizadores. 

Por exemplo, o escândalo do Facebook envolvendo a Cambridge Analytica expôs os dados de milhões de utilizadores e tornou-se um momento crítico que levou a mais regulamentação governamental da Internet para proteger a privacidade dos consumidores. 

Desde então, o Facebook tem movimentos oscilantes na atividade de utilizadores ativos diários na Europa.

Outro aspeto importante é o grau de literacia digital da população e respetivas competências digitais, o que leva à reflexão sobre os modelos de ensino, educação e formação profissional.

utilizadores-ativos-mensais-facebook-europa
Utilizadores Ativos Facebook

Empreendedorismo tecnológico digital

Em segundo lugar, o empreendedorismo tecnológico digital traz a inovação empresarial e aumenta assim a eficiência da plataforma. 

Quanto maior for a base de utilizadores, maiores serão os segmentos e nichos de mercado. 

Alguns críticos queixaram-se, ao longo dos anos, de que as comissões altas da Apple Store e o controlo feroz sobre a sua loja de aplicações podem limitar a experimentação, a inovação empresarial e a criação de valor.


Plataformas digitais multifacetadas

Em terceiro lugar, as plataformas digitais multifacetadas são uma inovação organizacional emergente caracterizada pela tecnologia e processos sociais.

A rastreabilidade da informação digitalizada está presente nos motores de pesquisa, nas redes sociais, em plataformas de compra e venda e em inúmeras aplicações onde aceitamos os termos e condições, abrindo as portas da nossa privacidade e liberdade individual.

O comportamento monopolista irá asfixiar a concorrência, a inovação e as atividades empresariais, resultando numa perda de bem-estar para os consumidores e a sociedade como um todo. 

Por exemplo, os reguladores europeus penalizaram a Google por três violações anti-trust: por empurrar injustamente as suas aplicações para os utilizadores de smartphones e bloquear os seus rivais; por utilizar o seu motor de pesquisa para orientar os consumidores para as suas próprias plataformas de compras; e por bloquear os seus rivais de colocar anúncios em websites de terceiros.

A Apple tem agora uma avaliação de mercado de 3 biliões, na numeração anglo-saxónica. A dona do iPhone voltou a fazer história e a fundar um novo clube dos riscos na história da tecnologia e das empresas.

A avaliação de mercado da Apple é mais do que Walmart, Disney, Netflix, Nike, Exxon Mobil, Coca-Cola, McDonald’s, Goldman Sachs, Boeing, IBM e Ford… todos juntos.


Infraestruturas Tecnológicas Digitais

Em quarto lugar, as Infraestruturas Tecnológicas Digitais permitem que a economia da plataforma funcione. 

A infraestrutura digital representa a tecnologia da era digital, juntamente com as regras e regulamentos que regem a sua utilização. 

Esta infraestrutura tecnológica é crucial para o bom funcionamento do DPE, que é responsável por manter a economia digital aberta e segura. 

O gigante chinês de smartphones e telecomunicações Huawei foi acusado de ser controlado pelo governo chinês e de utilizar o seu equipamento para espiar empresas e países.

Estas alegações sobre controlo, propriedade e fraude levantaram suspeitas.

Por isso, tem vindo a ser trabalhado a Lei dos Mercados Digitais ou Digital Markets Act (DMA) e a Lei dos Serviços Digitais ou Digital Services Act (DSA). São movimentos regulatórios robustos e de larga escala, onde o principal ponto de atenção reside no impacto sistémico que ambas as propostas poderão ter no ambiente de negócios europeu.

Além das condições acima mencionadas, é necessário salientar o papel que as finanças digitais desempenham na construção de um ambiente digital sustentável. 

As tecnologias digitais seguras e fiáveis são uma condição prévia necessária para que as transações financeiras possam florescer. 

A migração para uma sociedade sem numerário é um primeiro passo necessário que os utilizadores só estarão inclinados a dar se houver benefícios tangíveis. 

Um desses benefícios é a redução dos custos de transação — uma experiência de pagamento sem descontinuidades entre utilizadores e agentes. 

As finanças digitais também transformaram os mercados de capitais. 

Uma tendência bastante notável é a emergência do crowdfunding como um método alternativo para angariar capital. 

Outra tendência importante é o aumento das plataformas digitais, muitas das quais são unicórnios. 

As startups estão a atingir uma valorização de mil milhões a um ritmo mais rápido: o tempo médio para uma empresa tecnológica norte-americana tornar-se pública passou de 11 anos, em 1999, para 4 anos, em 2011. 

A formação de megafundos e a disponibilidade de capital de risco deixam cada vez mais poucos incentivos para que as plataformas se tornem públicas na bolsa.

As empresas orientadas pela procura tendem a demorar muito tempo a desenvolver um modelo de receitas sustentável; a abertura ao público sujeitá-las-ia a escrutínio e a pressão que poderia fazer descer o valor. 

A lógica das empresas emergentes (startups) na criação de modelos de negócio de risco é determinante na velocidade com que a inovação é implementada.

Encontrar um crescimento sustentado a longo prazo continua o desafio na economia das empresas e das plataformas.



Se gostou desta análise, leia também:

  1. O monopólio da tecnologia explicado
  1. O piratinha do Facebook, TikTok, Disney e a moeda digital da China
  2. Orelhas quentes Google, Apple e amigos. Economia do criador
  1. Publicidade online, realidade virtual, criptomoedas e marketplaces
  1. Quando for grande quero ser Youtuber! Professor! Músico…
  1. A nova batalha das BigTech, a BitCoin e o ClubHouse
  2. Lucros astronómicos, Algoritmos, SaaS, e Podcasts 2021
  1. Spotify, Wikipédia, China e Amazon
  2. Carros elétricos, bitcoins e marketing: O negócio da Tesla automóveis.
  1. Fluxo de Caixa, Zuckerberg, Trump, Gates e o dinheiro da XBox
  1. Amazon Unbound, Boom do mercado 2021, Mastermind o que é?
  2. Filmes para adultos: o show de Jeff, App Store – BigTech
  1. Supermercados, Conferências FB e Apple e Democracia em chamas
  1. Democracia em chamas: Proteção de dados, Antitrust e extorsão digital em 2021.
  1. O próximo passo da Google na Inteligência Artificial
  1. As fissuras da Google
  1. Entrar na exclusividade do Instagram
  1. Publicidade, segmentação e rastreio: o campo de batalha
  1. 4 exemplos de como espiar as pessoas e o spyware de empresas virou moda
  1. A força de vendas da Zoom e os hábitos de vídeo online
  2. Ganhos Youtube, Netflix, Snap, Twitter, Apple, Microsoft (2021)
  1. Ganhar dinheiro no Youtube? Os lucros 2021
  2. O buffet dos planos de subscrição
  3. O dilema das empresas de Internet e os Taliban no Afeganistão
  4. Apple App Store: do controlo às concessões em 2021
  1. O futuro não é privado: The Facebook Files, Instagram e os adolescentes
  1. Escândalos Facebook e os sabonetes da confiança
  2. Facebook em baixo fortalece regulamentação na Europa 2021
  3. Web Summit 2021: Soundbites, confetti e conteúdo
  1. As 5 fases da revolução da tecnologia
  1. Netflix, Disney+ e a guerra do streaming
  1. Amazon e a despedida de Jeff Bezos, Ant Group e construção de sites
  2. Como a luta entre a Apple e o Facebook vai afetar a privacidade e os anúncios