A pandemia covid-19 será mais um poderoso catalisador que vai aprofundar o poder das grandes empresas de tecnologia. 

O domínio das empresas GAFA (Google, Apple, Facebook, Amazon) e das grandes empresas tecnológicas na China, tornou-se tão grande que os governos individuais não têm escolha a não ser, submeter-se ou ajustar-se com muito cuidado à conjugação de interesses.

Quando a Austrália quis introduzir uma nova lei sobre a remuneração justa, para os conteúdos publicados pelos meios de comunicação social, a Google descaradamente ameaçou desligar o seu motor de pesquisa no país.

O Facebook chegou a suspender durante alguns dias a publicação de notícias de meios de comunicação australiano, gerando uma enorme preocupação no governo australiano que veio a público criticar a atuação unilateral sem prévio aviso.

As questões regulatórias complicadas não são tópicos muito atraentes para uma campanha eleitoral. Essa impotência também se reflete no debate praticamente inexistente dos média.

Pesquisas sobre os modelos de negócios da Alphabet (Google), Apple, Amazon, Facebook, Microsoft, Alibaba e Tencent mostram como a crise financeira de 2008 já acelerou a tendência de consolidação do mercado.

  • Os grandes monopólios de tecnologia, como o Google, Apple, Facebook e Amazon, têm uma ampla cadeia de criação de valor;
  • O seu controle sobre a sociedade é significativo, tornando-a extremamente difícil de regulamentar.
  • Se o poder económico das grandes empresas tecnológicas não for controlado, isso pode desestabilizar a democracia liberal (exemplos no texto).
  • As 7 grandes maiores empresas de tecnologia do mundo têm 310 subsidiárias em paraísos fiscais como Hong Kong, Irlanda e a Ilha da Virgem Britânica (fonte SOMO).

Recentemente fiz uma análise por várias fontes de pesquisa para saber quantas pessoas interagem com as publicações, após publicarmos um conteúdo nas redes sociais.
Os resultados de interação são baixos, e algumas pessoas comentaram os resultados publicados. O Bruno Ribeiro comentou a publicação no meu Instagram, e fiquei a matutar no assunto, por isso decidi explorar o tema da concentração de poder.

engagement-instagram-post-frederico-carvalho-marketing

Os monopólios de tecnologia sobrevivem de dados, algoritmos e capital

Os mercados digitais estão a mudar. As grandes empresas de tecnologia lutam por clientes e dados, e o mais recente caso entre a Apple e o Facebook sobre quem controla a privacidade dos utilizadores, é paradigmático.

Na Ásia a estrutura emergente da indústria está muito longe de ser aberta, e capitalismo um oligopólio (é uma forma evoluída de monopólio, no qual um grupo de organizações ou governos promovem o domínio de determinada oferta de produtos e/ou serviços) de rivais é muito melhor do que um monopólio.

As empresas do S&P 500 (índice composto por quinhentos ativos cotados nas bolsas de NYSE ou NASDAQ, qualificados devido ao seu tamanho de mercado, liquidez e a sua representação de grupo industrial), têm mais ativos financeiros à sua disposição e seguem um modelo de negócios que depende mais fortemente de ativos intangíveis, como patentes e fundo de comércio. 

Os ativos financeiros combinados da Big Tech ficaram em espantosos US $ 740 mil milhões, além da dívida total combinada de US $ 295 mil milhões. 

Esses recursos financeiros (ativos e dívidas) são usados ​​principalmente para adquirir outras empresas de tecnologia e entrar em outros setores. Em outubro de 2020, Apple, Microsoft, Amazon e Alphabet haviam, cada uma, ultrapassado o limiar de US $ 1 trilião de capitalização de mercado

Big Tech: A idade é um posto?

A Apple e Microsoft têm mais de 40 anos.
A Alphabet e a Amazon mais de 20 anos
O Facebook tem 17 anos feitos em fevereiro 2021.

Os efeitos de rede e de escala significam que o tamanho é importante, e os dados podem funcionar como uma barreira à entrada com impacto em negócios.

As três pesquisas mais comuns no motor de pesquisa da Microsoft (o Bing), são Facebook, YouTube e Google.

As grandes empresas de tecnologia estão a diversificar os seus principais produtos com novas oportunidades tecnológicas e regulamentares.

A Disney tem 98 anos de idade, adquiriu 116 milhões de novos clientes de serviços streaming em 18 meses.

disney streaming

O Walmart, com 58 anos de idade, captou 38 mil milhões de dólares em vendas online no ano passado.

Todas estas empresas pensam na aquisição de novas leads, novos assinantes que precisam de ser persuadidos a comprar uma gama fluida de serviços, em vez de proteger um monopólio estático a todo o custo.

A idade é uma vantagem competitiva, na experiência de funcionamento do mercado. As empresas estão a procurar a expansão através da diversificação, mesmo que isso signifique esbarrar contra rivais.

Embora os anunciantes tenham mais escolha, entre, digamos, a Amazon e o Facebook,
aqueles que estão a ser impactados com publicidade online, não têm uma alternativa real para os produtos de Mark Zuckerberg, o chefe do Facebook.


As ameaças: América, Europa e China.

Os gigantes da tecnologia não têm reservas quando se trata de analisar os seus clientes ao mínimo pormenor. 

Eles sabem que os seus produtos têm impacto na sociedade , e é por isso que multas leis antitrust ou objeções políticas ocasionais são um pequeno preço a pagar para aumentar o seu domínio do mercado.

Há desafios inerentes ao cumprimento das regras de privacidade.

privacidade digital

Uma vida sem smartphones com acesso ao Google Maps, WhatsApp ou Amazon é difícil de imaginar e não é exatamente algo que desejamos. 

O agrupamento de diferentes serviços, como a integração de mapas nos motores de pesquisa da Google, ou a vinculação entre as lojas de apps e os sistemas operacionais dos smartphones, torna ainda mais difícil a quebra dos monopólios.

A GAFA merece o nosso respeito por desenvolver uma interligação de sistemas e parcerias, há vários anos, colocando no centro da sua estratégia o poder dados ao serviço de um negócio global.

E aí está o problema, bem como o desafio político e regulatório.

Há muitas ligações acolhedoras entre empresas.
A Alphabet paga à Apple até $12 mil milhões por ano para fazer do Google o motor de pesquisa padrão do iPhone, dos sistemas operativos iOS.

A Alibaba e a Tencent tem participações próprias em alguns dos novos participantes da China.

É aqui que os agentes anti-trust ressurgentes podem fazer a diferença.
Esses pagamentos do Google estão agora sujeitos a um Departamento de Justiça, enquanto a Apple e a Google enfrentam queixas sobre o monopólio nas suas app stores (App Store & Google Play).

A concorrência oligopolística pode beneficiar os consumidores de várias formas.

Em 2000, poucos previram que a tecnologia se destinava ao monopólio, depois tornou-se sabedoria aceite.

Hoje ninguém sabe se o padrão emergente de rivalidade oligopolística irá durar ou beneficiar consumidores.

Os princípios económicos subjacentes sugerem uma lógica de “o vencedor leva tudo”. Nesse cenário, uma empresa que possui um ativo exclusivo, como uma plataforma, pode comandar a receita do aluguer da propriedade e das operações, em vez da produção. Essa receita de aluguer, é resultado de uma plataforma monopolizada, e por sua vez, aumentada ou alavancada por meio de técnicas financeiras.


Foi o que aconteceu com o crescimento dos negócios de SaaS (software como serviço, do inglês Software as a service, é uma forma de distribuição e comercialização de software. No modelo SaaS, o fornecedor do software responsabiliza-se por toda a estrutura necessária à disponibilização do sistema, e o cliente utiliza o software via internet, pagando um valor pelo serviço).

Um boom financeiro significa que o capital é abundante.

Uma economia digital mais contestada, com mais regulamentos, tem consequências para os mercados,consumidores e empresas.

O CEO da Apple, Tim Cook, o Chairman da Amazon, Jeff Bezos, o CEO do Google, Sundar Pichai, e o CEO do Facebook, Mark Zuckerberg. 

As marcas mais valiosas e a privacidade.

  • Os trustbusters americanos processaram o Facebook por alegado comportamento anticoncorrencial;
  • Os chineses lançaram uma investigação em Alibaba.;
  • Um dos três casos antitrust contra a Google é um acordo ao abrigo do qual esta, paga à Apple entre $8 mil milhões e $12 mil milhões por ano. Significa 1/5 dos lucros globais da Apple, para que o seu motor de pesquisa da Google, apareça como o padrão nos dispositivos móveis da Apple;
  • O Google também ofereceu alegadamente ao Facebook um acordo para não apoiar um sistema de anúncios rival, apoiado por editores de notícias;
  • A Epic Games, afirma que a Apple restringe as empresas a desenvolver aplicações na sua App Store e apresentou queixa na América e Reino Unido.

Estes e outros temas aceleram as ações da União Europeia, pioneira na regulamentação para criar melhores sistemas de controlo destas Big Tech.

A indústria das BIG TECH deixa uma impressão de um clube acolhedor, onde os membros se ajudam, mutuamente, a perpetuar os seus monopólios.

A Apple, Google e Facebook dizem que os seus vários arranjos são perfeitamente legítimos.

As empresas cooperam, é verdade, mas apenas para assegurar a interoperabilidade entre os seus produtos.

As marcas mais valiosas do mundo têm tido crescimento de 12% no valor da marca, atingindo um total de US $ 1,5 trilhão, de acordo com o último ranking 2020 da BrandZ.

A Amazon liderou a lista mais uma vez como a marca de grande consumo mais valiosa. De acordo com o relatório, o seu valor de marca em 2020 é de $ 415,9 mil milhões, um aumento de 32% em relação a 2019.

Para acentuar o quão valiosa a Amazon é, o seu valor de marca é mais do que as próximas cinco marcas mais valiosas combinadas.
A Amazon também parece ser uma das marcas de grande consumo que mais lucra com a pandemia.

A empresa chinesa Alibaba Group, mantém a sua posição como a marca com o segundo maior valor de marca em 2020. O seu valor de marca de $ 152,5 mil milhões representa um aumento de 16% em relação ao ano passado. A McDonald’s segue o Alibaba Group com um valor de marca de US $ 129,3 mil milhões (queda de 1% em relação a 2019).

marcas mais valiosas - marketing
Fonte: BrandZ (baseado na análise de mercado da Kantar e da Bloomberg)

Brad Smith, presidente da Microsoft, coloca o equilíbrio da concorrência versus cooperação em “80/20” a favor da rivalidade.

A Microsoft expressou apoio à proposta australiana, e a Google contrapôs “claro que a Microsoft o faria, porque estaria ansiosa por impor uma taxa impraticável a um rival e aumentar a sua quota de mercado”, referindo-se ao motor de pesquisa Bing da Microsoft.

Mark Zuckerberg, chefe executivo do Facebook, chamou recentemente à Apple “um dos nossos maiores concorrentes”. “Sentimo-nos como se todos os dias acordássemos, sob uma incrível pressão competitiva”.

O Facebook fez anúncios a atacar a Apple por causa das novas definições de privacidade do iPhone que perguntam aos utilizadores se querem optar por não terem os seus dados rastreados através das aplicações e websites de outras empresas.
O Facebook diz que vai prejudicar as pequenas empresas que precisam da plataforma para chegar a novos clientes.

apple vs. facebook marketing


A conversa de combate reflecte um crescente sentido na indústria tecnológica que os titulares estão a ser atacados.

Embora as empresas dominantes permaneçam poderosas e ocasionalmente colegiais, num mercado digital onde pontualmente aparecem empresas a desafiar determinados serviços e produtos, os campeões da velha indústria dominam os interesses do mercado.

Os monopólios e a privacidade mais distante na China.

A China alberga a maior comunidade digital do mundo, com quase 989 milhões de internautas em 2020. No entanto, há um lento progresso das infraestruturas da Internet nas regiões remotas. Enquanto a taxa de adoção da Internet em cidades de primeiro nível, como Pequim e Xangai, foi superior a 70%, a taxa média de acesso à Internet na China rural ficou abaixo de 47% em 2020.  

Com medidas para garantir a privacidade em todo o mundo, muitos países criaram leis e regulamentos relevantes sobre proteção de informações pessoais. A China também divulgou o seu projeto de Lei de Proteção de Informações Pessoais, semelhante ao Regulamento Geral de Proteção de Dados

O governo chinês, recolhe e cria grandes quantidades de informações relacionadas a diversas tarefas de regulamentação, segurança, aplicação da lei e bem-estar social.

Também regula os fluxos de dados e é responsável pela segurança dos dados criados ou adquiridos por departamentos governamentais em todo o país, que deve ser regida por uma proposta de Lei de Segurança de Dados.

Muitos cidadãos chineses parecem preocupados com os dados que o governo gere, juntamente com a recolha comercial e uso de informações pessoais. Os cidadãos contestam a recolha em excesso e abuso de dados pessoais através do reconhecimento facial e outras formas de tecnologia de vigilância durante a pandemia de COVID-19 e de forma mais geral dentro de espaços públicos.

Clubhouse e a privacidade na China

O Cyber ​​Policy Center de Stanford confirmou em 12 de fevereiro que as ferramentas da empresa Agora, sediada em Xangai, estavam a servir como a espinha dorsal do Clubhouse, que conquistou milhares de novos utilizadores nos últimos meses graças a figuras públicas, omo Elon Musk, Oprah, Aston Kutcher e outros negócios líderes. 

Além disso, o observatório descobriu que “o número de identificação exclusivo do Clubhouse e da sala de chat de um utilizador são transmitidos em texto simples, e o Agora provavelmente teria acesso ao áudio bruto dos utilizadores, potencialmente fornecendo acesso ao governo chinês“. 

“A SIO observou metadados de sala, retransmitidos para servidores que acreditamos estarem hospedados na República Popular da China e o áudio para servidores geridos por entidades chinesas e distribuídos em todo o mundo via Anycast”, disse o relatório, acrescentando que as revelações foram particularmente preocupantes para os utilizadores na China, que podem enfrentar consequências do governo pelo que dizem no app. 

A China baniu oficialmente a app a 8 de fevereiro 2021 e o Clubhouse disse que está a fazer alterações na app, tendo adicionado “criptografia e bloqueios adicionais para evitar que os clientes do Clubhouse transmitam pings para servidores chineses”. Eles também prometeram fazer auditorias externas de segurança de dados.

A porta-voz do Clubhouse, Reema Bahnasy, reconheceu à Bloomberg News, a 21 de fevereiro, que alguém encontrou uma maneira de acessar e transmitir áudio do Clubhouse, levantando mais questões sobre as recentes atualizações de segurança do aplicação móvel.. 

O risco de abrir o acesso aos dados dos clientes

Quer seja a pressão de um governo, ou de outra parte, há um um risco real associado aos prestadores de serviços e operadores de plataforma, sendo possível comparar a situação do Clubhouse / China com a da União Europeia com o GDPR. 

A UE foi forçada a suspender o acordo de proteção de privacidade com os EUA devido a preocupações de que os provedores dos EUA pudessem ser forçados a entregar dados de consumidores da UE ao governo dos EUA.

Do ponto de vista de um provedor de serviços, muitas vezes, a oportunidade de monetizar os dados é o que permite às plataformas fornecer um serviço gratuito.

Ignorar o uso comercial de tais dados, a violação da privacidade do consumidor é um problema sério.

A rivalidade na china

A China anunciou recentemente novas regras para o combate ao monopólio das marcas. E o foco está direcionado para as grandes empresas da Internet. Estas novas diretrizes formalizam assim a lei anti monopólio lançada em novembro do ano passado.

Algumas das visadas pertencem ao setor do comércio eletrónico, como o site Taobao e o Tmall do grupo Alibaba.

Dois dos maiores grupos digitais, a Alibaba e Tencent, já competem um com o outro através de uma variedade de mercados.

No final de 2020 o regulador de mercado da China anunciou multas no valor de 63.000 euros aos gigantes da Internet chinesa, por infringirem leis antimonopólio na aquisição de outras empresas.

A Administração Estatal de Regulação do Mercado apontou que os grupos não reportaram corretamente às autoridades as operações que resultaram na concentração de agentes de mercado em determinados setores.

No caso do gigante de comércio eletrónico Alibaba, a investigação centra-se na ampliação da sua participação, através de uma subsidiária, na operadora de centros comerciais Yintai (Intime), em fevereiro de 2018.

O caso da Tencent, dona da app Wechat, comprou o produtor de audiovisuais New Classics Media, através da subsidiária China Literature, uma plataforma que liga escritores e leitores, e que tem mais de 200 milhões de utilizadores.

Uma vez fragmentada, a concorrência, está a consolidar-se.

As empresas Pinduoduo e a jd.com, têm um império apoiado pela Tencent, com 24% do mercado de comércio eletrónico entre elas.
As previsões são atingir 33% em 2026, segundo as estimativas CISA.

A Alipay há muito que se tornou a carteira digital dos clientes chineses.


Consciência crescente da privacidade de dados

Existe uma consciência crescente da privacidade de dados entre os utilizadores de apps móveis na China. 

No início de 2020, cerca de 36% dos chineses disseram que leram cuidadosamente os termos de privacidade em apps móveis antes de concordar com as condições.

No Mundo inteiro, sabemos que a grande maioria das pessoas não lê essas letras miudinhas.
No início de 2020, cerca de 65,3% dos entrevistados na China perceberam que as apps móveis que pedem acesso a registos de chamadas telefónicas são uma violação de privacidade. Outras permissões de utilizadores nas apps móveis, incluíam acessos a contactos e mensagens.

Utilizadores da Internet e a consciência das regras de proteção de dados e privacidade nos seus países

fonte: statista


A nova gramática da competição é a crescente sobreposição entre os cinco gigantes tecnológicos da América. Alphabet (empresa mãe do Google), Amazon, Apple, Facebook e Microsoft estão a ter impacto na escala de crescimento com a rivalidade entre a Alibaba e a Tencent.

As grandes empresas tecnológicas em lágrimas.

No início de 2010, todas as grandes empresas tentaram entrar na criação de aparelhos físicos (devicemaking) e não foram bem sucedidas.

  • “Phone Fire” o aparelho móvel da Amazon? (um flop de mercado, com 83 milhões em stock por vender)
  • O Zune da Microsoft;
  • Muitos utilizadores de iPhone navegam com Google Maps, e não a alternativa padrão, pouco amada do sistema de mapa virtuais o “Apple Maps”.
  • Facebook Gifts, a rede social fez uma incursão precoce no comércio eletrónico, mas não correu bem.

No percurso das BigTech, há artigos e páginas dedicadas ao assunto (Killed by Google), mas na tentativa-erro, foram medindo o pulso ao mercado para chegar onde chegaram.

80% das receitas da Apple em 2020 vieram dos seus dispositivos móveis, os iPhones.
Ler mais em: Apple: luxo ou elite?

A Apple reduziu a sua dependência de iPhones, iPads e computadores Mac ao passar para sistemas de pagamentos, finanças e entretenimento. A proporção das receitas totais destes serviços, de 20%, é o dobro em comparação com as de há cinco anos.

Algumas desses serviços, competem com a Amazon Prime Video e Prime Music, como bem como com fornecedores dedicados, tais como Netflix e Disney (para vídeo) ou Spotify (para áudio).

A Microsoft continua a depender de software empresarial para uma grande parte das suas receitas, e a Amazon no seu império online, no entanto a maior parte dos seus lucros (comparativamente magros) foram geradas pelos serviços de cloud computing a Amazon Web Services (AWS).


Avaliações de mercado das Big Tech forçam à inovação

As avaliações do mercado na bolsa são estratosféricos, ou seja, 25 a 82 vezes os ganhos anuais – e isso exige planos de crescimento ambiciosos.

forca de vendas - capitalização de mercado

Como os seus os principais negócios amadurecem, as Big Tech, procuram novas fontes de crescimento.

Com os trustbusters em alerta máximo, apanhar os rivais no arranque – ou de outra forma neutralizá-los – está a ficar mais difícil.

A concorrência directa é mais feroz nos negócios de cloud computing, um negócio de 63 mil milhões de dólares em expansão a um taxa anual de 40%.

A divisão de computação em nuvem Azure da Microsoft, com 11 anos de idade, tem uma estimativa 20 mil milhões de dólares por ano em receitas.


A computação em nuvem pode representar 12% das receitas do Google até 2024.


e-Commerce em esteroides alimenta o monopólio.

O Facebook inaugurou o mercado de segunda mão, chamado Marketplace

Em Maio lançou as Lojas Facebook, dando às cerca de 160M de empresas que já utilizam a rede social, uma oportunidade de vender online, conjugando com a app irmã, o Instagram, uma montra de loja, uma forma de vender os seus produtos.

O Facebook e o Google também estão a trabalhar com a Shopify, facilitando a criação de lojas próprias.

As compras sociais, em live streaming, onde os retalhistas organizam uma grande quantidade de compradores nas redes sociais, é um formato em alta na China e poderá chegar em breve em grande escala ao Ocidente.

livestreaming ao vivo


Ler mais: O futuro do e-commerce

O Marketplace do Facebook, por exemplo, começou depois da empresa ter percebido que havia grandes números de pessoas que compram e vendem várias coisas em Grupos do Facebook.

Este processo parece intensificar-se à medida que as empresas passam de, olhar por cima dos ombros dos outros, para a olhar em frente.

Olhar na direção dos dados

Quatro dos gigantes já oferecem assistentes digitais e todos querem tornar-se o principal fornecedor.

A grande tecnologia está a canalizar milhares de milhões de projetos ambiciosos.

A Apple tem estado em conversações com vários fabricantes de automóveis para construir um carro.

Em 2020, a Amazon comprou a Zoox, uma empresa com tecnologia para condução automática. A Alibaba e a Baidu (maior motor de pesquisa chinês), também estão interessadas em automóveis.

Concorrência nos aparelhos de telefone: duopólio

Há ainda pouca concorrência nos dois sistemas operativos móveis dominantes, iOs da Apple e Android da Google, continuam a ser um duopólio. Assim como as suas lojas de aplicações móveis.

O fim dos monopólios de tecnologia. 

Os gigantes da tecnologia tornaram-se adeptos a jogar com os árbitros antitrust para manter potenciais concorrentes ocupados a defender as suas empresas dos reguladores, e portanto menos capazes de invadir outros mercados.

A Microsoft tem a bola antitrust a rodar contra a Google no final dos anos 2000, construindo uma coligação de empresas contra a seu domínio nas pesquisa online.
Os membros dessa coligação, como Yelp, um site de pesquisa e recomendações locais, estão mais uma vez a agitar as águas contra o Google.

Se continuarmos sem uma regulamentação estrita do GAFA, a polarização dentro da sociedade vai aumentar. As oportunidades económicas das empresas menores diminuirão cada vez mais, em função dos lucros crescentes dos monopólios, e as empresas GAFA serão capazes de assumir novos campos de negócios inteiros.

Uma concentração cada vez maior de poder económico levará, no médio prazo, a uma erosão da economia de mercado. 

O efeito será uma inquietação social, lutas pela distribuição e uma desestabilização crescente da nossa democracia liberal, que será incapaz de obter o controlo da desigualdade económica.

Devemos sujeitar a nossa infraestrutura digital às mesmas verificações e controlos regulatórios de empresas como o sector da energia ou seguros. 

A capacidade da Europa deve ser reforçada para gerir esta enorme tarefa. 

O Facebook, recentemente, quis forçar os utilizadores do WhatsApp a partilhar todos os seus dados para que a sua publicidade pudesse chegar mais facilmente aos utilizadores, via Facebook e Instagram. O resultado foi uma debandada para serviços de mensagens alternativos como Signal e Telegram.

ranking signal facebook messenger


A pandemia e o confinamento só vieram tornar mais evidente a necessidade da Internet como um serviço público: à semelhança da água e da luz, todas as pessoas devem ter acesso à Internet.

O 5G, bem como lacunas no que toca ao ensino, poderão acelerar o acesso generalizado da Internet e do digital a todos, independentemente da condição financeira e da zona geográfica de residência.

Os grandes monopólios de tecnologia vão ter um grande impacto na estruturação da democratização do acesso à informação e isso precisa de fronteiras.