A melhor informação da semana cursos | auditoria digital | blog
a sua newsletter de marketing & economia digital
por Frederico Carvalho

A RTP (Rádio e Televisão de Portugal), em meados dos anos 1960, começou a ser transmitida para todo o país. Um canal, a preto e branco.
Ontem, 2021, admirava a audácia da ciência, que noticiava imagens 3D do helicóptero Ingenuity que será telecomandado para mapear Marte, a partir da terra, mais concretamente a 57,6 milhões de quilómetros (BBC).

Comentava com a minha irmã (viajou, ontem, para Palma de Maiorca onde trabalha na aviação) que é um passo incrível estarmos a tantos quilómetros e ser possível um feito destes.

Na conversa, comentou que os nossos pais, provavelmente, nunca imaginaram isto.
O meu comentário: Se, em 60 anos, conseguimos que a ciência evoluísse a este ponto, não espero nada menos do que nos próximos 60 anos haja teletransporte.
Ao que ela comenta: espero que não, senão fico sem trabalho.
Food of thought

ANÁLISE EXTENSA

Orelhas quentes Big Tech: Apple, Google e amigos

marketing-digital-frederico

Os legisladores norte-americanos preparam-se para a audiência de hoje com os CEOs do Twitter, Facebook e Google.
A questão não assenta em se se deve regulamentar as empresas de tecnologia, mas sim como.

No início desta semana, a administração Biden confirmou os planos para executar a regulamentação antitrust. A Big Tech (The White House Press) marcou a sua posição:

«Quanto mais ultrajante e extremista for o conteúdo, mais envolvimento»
Já o Presidente da Câmara de Energia e Comércio dos EUA, Frank Pallone, «gostaria de criar um desincentivo para que estas empresas amplifiquem este conteúdo que conduz à violência».

De 1980 a 2019, as cinco maiores ações do índice S&P 500 foram em média 13% do valor total de mercado do índice.
As cinco primeiras – Apple, Microsoft, Amazon, Facebook e Google – representam hoje mais de 20%. (The Wall street Journal)

Em 2012, a Federal Trade Commission fez previsões sobre o futuro do Google durante um estudo de antimonopólio:

  • Crescimento limitado em anúncios personalizados;
  • Preferência do consumidor em relação ao ambiente de trabalho em detrimento do móvel;
  • Concurso de pesquisa da Microsoft, Mozilla e Amazon.

Nas minhas formações, mostro que a missão de Wally é esconder-se.
A missão do Google é organizar as informações do mundo. 

(⭐Pro ↓)

Esta semana, a empresa Google demonstrou que está a produzir pesquisas de IA e a investir em novos pontos de contacto para pesquisa. A empresa investe também em áudio (Google Assistant) e em mobilidade (mapas) bem como em visualização do mundo (lente).

Isso significa que o Google destacará a resposta à sua consulta, se puder, em vez de apenas fornecer um link. Outros novos recursos: 

  • Pressione uma imagem e pesquise o produto / objeto que está na mesma;
  • Cante uma música para o Google Assistent e encontre o nome; 
  • Analise as fórmulas quadráticas do seu dever de casa e obtenha ajuda passo-a-passo. 

O espetro da aplicação da lei antitrust paira sobre o Google. Por um lado, as atualizações de recursos poderosos aumentam a chance de os utilizadores permanecerem no seu ecossistema. Por outro lado, o Google pode dizer que está a expandir a utilidade, acessibilidade e facilidade de uso dos seus serviços. 

Extraem e fornecem a resposta à sua consulta diretamente na página de destino da pesquisa. 

Curiosidade: Esta semana, a SparkToro e a SimilarWeb divulgaram alguns dados, mostrando que, de janeiro a dezembro de 2020, 64,82% das pesquisas no Google (desktop e smartphone combinados) terminaram em resultados da pesquisa sem cliques.

Atualmente, os anúncios são responsáveis por grande parte das receitas da Google: 62% das pesquisas acontecem em telemóveis, e a Google mantém uma quota de mercado de 92%.

Inovação pode significar estatísticas deturpadas

Para refletir: Os gigantes dos meios de comunicação social continuam a relatar as estatísticas sobre contas falsas e posts violadores de regras que estão a remover. Mas o número que mais importa é a quantidade de desinformação que resta

antitrust facebook

O Facebook anunciou que, nos últimos 3 meses de 2020, removeu aproximadamente 1,3 mil milhões de contas falsas da sua plataforma.

 Isto significa que o Facebook já eliminou quase 16 mil milhões de contas desde 2018, o que equivale à eliminação de toda a sua base mensal de utilizadores ativos cinco vezes mais.

A remoção de dezenas de milhões de contas falsas todos os dias tornou-se rotina para o Facebook.

Uma pesquisa rápida no Google revela a dimensão do problema que o Facebook tem em mãos. 

Já existe registo de muitos sites a vender contas verificadas no Facebook, com fotos «reais», idades e informação por algures entre $10-15 por conta (existem descontos por grosso mesmo em negócios obscuros, ao que parece).

O Facebook reconhece a batalha que tem em mãos e emprega 35 000 pessoas para o ajudar a moderar o seu conteúdo. Embora os algoritmos captem muito do conteúdo nocivo, muito ainda é assinalado por verdadeiros moderadores humanos, alguns dos quais sofreram de «transtorno de stress pós-traumático» devido a algum do conteúdo.  

Evolução Antitrust

Na quinta-feira, o Facebook acolheu favoravelmente o documento escrito sobre a reforma do regulamento chave da Internet conhecida como Secção 230.

Aprovada em 1996, a Seção 230 diz que os provedores de serviços da internet como blogues, sites de notícias e redes sociais não podem ser tratados como porta-vozes do que é falado ou publicado por terceiros, exceto em alguns conteúdos como os pornográficos, pirateados ou ilegais, segundo emenda aprovada em 2018.

A Secção 230 concede ainda proteção legal para que essas plataformas moderem o conteúdo publicado por utilizadores, como temos visto de forma cada vez mais recorrente, principalmente pelo Twitter e Facebook, retirando, da plataforma online, posts com notícias falsas e discursos de ódio.

Mark Zuckerberg, do Facebook, Sundar Pichai, da Google, e Jack Dorsey, do Twitter, vão testemunhar numa audiência de transmissão em vídeo perante os comités de Energia e Comércio da Câmara sobre comunicações, tecnologia e proteção do consumidor.

Nas suas observações, Zuckerberg defendeu alterações à Secção 230 da Lei da Decência das Comunicações, que protege as empresas de Internet de processos judiciais sobre mensagens geradas por utilizadores. 

Zuckerberg sugeriu que as empresas fossem obrigadas a demonstrar que dispõem de sistemas para identificar e remover conteúdos ilegais e prejudiciais, em vez de uma imunidade geral de responsabilidade.

Os legisladores e os grupos políticos têm apresentado uma série de possíveis reformas que iriam retirar certos tipos de conteúdos da imunidade da Secção 230, tais como anúncios e outros conteúdos pagos, bem como promoções de tráfico sexual e abuso de crianças.

A Google, em contraste, sublinhou que as recentes alterações propostas, incluindo um apelo direto, correm o risco de «prejudicar tanto a liberdade de expressão como a capacidade das plataformas para tomarem medidas responsáveis». 

Os críticos da abordagem do Facebook referem que os regulamentos adicionais poderiam, em última análise, beneficiar a rede social, uma vez que esta tem os meios para cumprir os encargos adicionais, enquanto as empresas mais pequenas não o podem fazer. 


Antitrust na China

Embora o governo chinês já tenha visado a Alibaba com uma investigação antimonopólio sobre o gigante do comércio eletrónico desde dezembro, o escrutínio reforçado de Pequim sobre todas as principais plataformas da Internet também pode afetar a Tencent. 

A Tencent, cuja aplicação de mensagens WeChat tem mais de 1,2 mil milhões de utilizadores mensais ativos, é também um dos investidores tecnológicos mais influentes do mundo, com participações em cerca de 1200 empresas.

Apesar dos potenciais desafios regulamentares que se avizinham, os negócios centrais da Tencent continuam fortes. 

Na quarta-feira, Tencent anunciou que o seu lucro líquido quase triplicou devido, em parte, a um forte aumento do valor das suas participações em outras empresas.

O seu lucro líquido ajustado, que exclui o impacto dos ganhos de investimento, aumentou 30% de ano para ano, ajudado por um sólido crescimento das receitas em jogos online, publicidade e serviços de tecnologia financeira.

[/sociallocker]

DADOS

O negócio das newsletters e a economia do criador

A Subtack, popular plataforma de construção de newsletters, tem continuado a crescer.

O negócio apoiado pela Y Combinator e Andreessen Horowitz tem mais de 250 mil clientes a pagar.

Na era da economia criadora, o Subtack afirma colocar o escritor em primeiro lugar. Porquê?

  • A plataforma é apoiada pelo leitor e não pelo anunciante: O seu modelo provou que os subscritores estão dispostos a pagar por informação de qualidade e diferenciada.
  • Ausência de notícias: Com o Subtack, inscreve-se para receber e-mails dos seus escritores favoritos, cobrindo tópicos que mais lhe interessam.
  • Tech e design-forward: A interface é fácil de navegar, e a plataforma tem um sistema de pagamento integrado, permitindo aos escritores concentrarem-se no conteúdo.

Como resultado, o seu sucesso é eclipsar às plataformas já existentes, como a Medium.

O principal modelo de negócio do Subtack é simples. Permite que os redatores de newsletters de notícias vendam subscrições para os seus trabalhos, e é preciso 10% de qualquer receita que os redatores gerem (os redatores também têm de bifurcar mais 3% à Stripe, a empresa de pagamentos digitais).

O dinheiro que a Substack e os seus escritores estão a gerar – e a forma como esse dinheiro é dividido e distribuído – é de intenso interesse para os fabricantes e observadores dos meios de comunicação, por razões óbvias. 

No entanto, o impulso geral não é diferente de outras plataformas digitais que vimos ao longo dos últimos 15 anos.

Do YouTube ao Facebook, do Snapchat ao TikTok, as grandes empresas tecnológicas há muito que tentam descobrir formas de convencer as pessoas e as editoras a fazer conteúdo para as plataformas, sem terem de as contratar como criadores de conteúdo a tempo inteiro. 

Isto envolve frequentemente dinheiro: O YouTube criou o modelo, em 2007, quando criou um sistema que permite a alguns fabricantes de vídeo manter 55 % de qualquer receita publicitária gerada pelos seus clips.

Como o Substack, o YouTube e os outros grandes sites tecnológicos de consumo pensam fundamentalmente em si próprios como plataformas: software criado para permitir aos utilizadores distribuir o seu próprio conteúdo ao maior número de pessoas, com o mínimo de fricção. 

O substack é um instrumento para o escritor soberano; o escritor soberano não é um empregado do substack, criador, empreiteiro, nada. 

Livros VS Modelo de subscrição:

Como sabem, nos últimos anos, lancei juntamente com cinco autores o livro Marketing Digital para Empresas

Acompanho com interesse a área da BigTech e estou, especialmente, atento às inovações nos modelos de negócio.

Um livro de sucesso (com tiragem) tem um modelo de negócio interessante: gaste muito tempo e esforço a escrever, edite e reveja tudo antecipadamente, e depois ganhe dinheiro a vender o maior número possível de cópias idênticas. Quanto mais se vende, mais se lucra, porque o trabalho já foi feito. 

No mercado da língua portuguesa, não há ninguém especialmente rico.
Menos ainda em livros da área de não ficção.
Mesmo para autores como o especialista Paulo de Vilhena que com sete livros vendeu 32 mil exemplares (informação pública partilhada no seu desafio Alavancagem para Empresas), ou os muitos livros do português, Vasco Marques (autor com mais obra publicada em Marketing), com destaque para um dos mais recentes Marketing de A a Z, o verdadeiro estímulo é a paixão pedagógica.

Claro que se um livro tiver sucesso, confere uma enorme credibilidade no mercado, mas a pressão é imensa para escrever outro; o pagamento, no entanto, é normalmente também maior: é muito mais fácil vender aos clientes a quem já vendeu antes do que encontrar clientes pela primeira vez.

A melhor informação da semana é uma newsletter gratuita, e em letra legível, o conteúdo em texto ocupa 15 páginas de Word. Este exercício tornou-se em muitos aspetos uma revista das minhas próprias tentativas de compreender especificamente a tecnologia e a forma como está a mudar todos os aspetos da sociedade em geral. 
Somadas as newsletters, já dava um livro. 😊

Se fosse um modelo de subscrição paga seria ainda melhor: Em vez de assumir o risco de escrever um livro com a esperança de um pagamento único dos clientes no final, os assinantes financiariam essa exploração intelectual diretamente e numa base contínua. A expectativa é que eu lhes envie as minhas newsletters, todas as sextas-feiras, em formato eletrónico.

No mercado português, temos bons exemplos de modelos de newsletter pagas como o Nuno Hipólito e o Rui Nunes.

A receita recorrente é muito melhor do que vender um livro uma vez.
No entanto, tal como é preciso investir tempo a escrever um livro antes de o poder vender, é preciso tempo para construir uma base de assinantes que suporte uma assinatura a tempo inteiro. 

Fica a nota que, premeditadamente, não tenho intenções de o fazer no futuro. ❤️

Os modelos de subscrição com base em conteúdo carecem de profissionalização.

Embora seja fácil começar uma newsletter informativa, podcast ou curso online, administrar um negócio de conteúdo é difícil. Muito difícil.

Na verdade, o conteúdo pode ser o pior modelo de assinatura digital que um empresário com uma pequena equipa pode escolher.

Mesmo que adore escrever, falar, atuar ou ensinar, fazer do conteúdo a pedra angular do seu império de assinatura digital numa era de extrema competição por atenção é uma receita para dor e sofrimento.

Quando parar de escrever, ensinar ou gravar, as pessoas param de pagar.

Embora se fale sobre saúde mental do criador de forma aberta e cuidadosa, há uma solução tão evidente que  surpreendentemente não está a receber mais atenção.

Um criador precisa de uma comunidade, e não qualquer comunidade antiga, mas que aproveite a dinâmica mais importante possibilitada pela internet: o efeito da rede.


 

TENDÊNCIAS

A adaptação do cinema ao streaming 

A WarnerMedia está a experimentar o lançamento de filmes em 2021 simultaneamente na HBO Max e em salas de cinema. 

A empresa fez um acordo com a cadeia de teatro Regal sob o qual os filmes Warner terão uma janela exclusiva de 45 dias, o que significa que o lançamento do streaming seria adiado por, pelo menos, seis semanas após os filmes aparecerem nos cinemas.

O acordo, relatado pela Deadline.com e Variety, é um regresso a uma abordagem mais tradicional para a Warner, que atraiu intensas críticas de partes de Hollywood quando anunciou, no início de dezembro, a abordagem de lançamento simultâneo. 

A Warner referiu que esta mudança se devia ao encerramento de muitos teatros e salas de cinema, durante a pandemia COVID-19,   garantindo que a nova abordagem seria apenas para 2021.

É possível que a Warner não lance todos os seus filmes sob a nova programação delineada por Regal, preservando alguns filmes de orçamento mais baixo para um lançamento em streaming.

Em 2022, a Warner voltará à sua prática histórica de colocar filmes em primeiro lugar nos cinemas.

Ironicamente, a notícia chegou no mesmo dia em que a Disney anunciou que lançaria vários filmes no seu serviço de streaming Disney+ no momento do lançamento nos cinemas. 

Quando a Disney experimentou o lançamento da Mulan, gerou dinheiro decente para o filme, mas não atraiu muitos novos assinantes para a Disney+.

O quadro geral é que o mundo do cinema está a mudar, mas não tão depressa. 

Uma janela exclusiva de 45 dias significa que os filmes podem aparecer na HBO Max, por exemplo, muito mais rapidamente do que o típico período exclusivo de 75 dias que os cinemas tiveram antes da COVID. 

As salas de cinema não se vão embora: Muitas pessoas, como eu, ainda vão querer assistir a um filmezinho no grande ecrã pela experiência. 

Mas pode ser que, ao longo do tempo, apenas filmes de grande orçamento acabem no grande ecrã e que muitos títulos mais pequenos se estreiem nos serviços de streaming

Seja como for, é um novo mundo assustador para o mercado da produção audiovisual.

SAÚDE

Veja os meus cursos:
Curso Intensivo Marketing Digital
Curso Email Marketing  |  outros >

eBooks Grátis

marketing-digital-frederico
Games, Esports, and Mobile Trends do Watch in 2021
Download
marketing-digital-frederico
2021 Gaming Report
Download

Breves

📌 
Um estudo realizado pelo Portal da Queixa permitiu identificar um crescimento de 75% do número de reclamações dirigidas ao setor dos hiper e supermercados em 2020.

📌
Logística: Receitas da DHL sobem 5,5% após ano de boom do e-commerce.
CTT alcançam os 22 milhões de envios em Espanha e cresce 40% na faturação.

📌
Esta semana, dei formação para o mercado imobiliário. Terça e quinta-feira para 30 profissionais do mercado imobiliário sobre temas de Marketing Digital e esta manhã para a Sothebys sobre Redes Sociais.
Dados em destaque esta semana: A Imovirtual é apontada por 91% dos profissionais do setor como o portal mais utilizado.

📌 
O motor de pesquisa chinês Baidu angariou $3.1 mil milhões na sua oferta pública, em Hong Kong (Bloomberg).

📌 
Finalmente, aprendemos o que é e o que não é permitido no Facebook
• As regras secretas de moderação foram divulgadas e, previsivelmente, são uma confusão. (The Guardian)

• Como é que o Facebook se adapta para continuar a operar em regimes repressivos. (The Guardian)

📌  

A Microsoft bateu um acorde com a Discord: A empresa Big Tech está em conversações para comprar a plataforma de chat focada em jogos por $10 mil milhões. (The Verge).

📌 
O grande regresso de Yahoo: A Verizon Media Group tem planos para duplicar as subscrições pagas (atualmente são 3M) e fazer um rebranding à maioria aos seus franchisados de meios de comunicação como produtos Yahoo. (Axios)

📌 
O proprietário da TikTok ByteDance contratou um executivo sénior do fabricante chinês de smartphones Xiaomi para ser o seu diretor financeiro principal. 

A mudança surge quando investidores e banqueiros esperam que a ByteDance, a empresa de tecnologia privada mais valorizada do mundo, se torne pública, este ano, com um IPO.

 A empresa com sede em Pequim foi avaliada em 180 mil milhões de dólares na sua mais recente recolha de fundos de 5 mil milhões de dólares em dezembro. As receitas da ByteDance, em 2020, mais do que duplicaram para cerca de 37 mil milhões de dólares, graças ao crescimento robusto das vendas de anúncios pelas suas aplicações chinesas.


📌
O cofundador do Clubhouse, Paul Davison, disse que levará  meses para que a aplicação áudio social venha ao Android. Atrasos como este permitiram ao Twitter lançar sem preocupações o seu próprio clone do Clubhouse, Spaces.

📌 

O anúncio da Microsoft de que na próxima segunda-feira começará a reabrir o seu Redmond, Wash., campus aos empregados que agora trabalham em casa sugere que, um ano após uma vaga de empresas mandatadas para trabalho remoto, o ímpeto está a inverter-se. Se a experiência do ano passado é algo a passar, uma vez reaberta uma grande empresa, outras se seguirão. 

📌
As ações da DigitalOcean, um pequeno fornecedor de cloud providers que compete com gigantes como Amazon Web Services e Microsoft, caíram quase 10% no seu primeiro dia de negociação, depois de a empresa ter angariado 775 milhões de dólares na sua oferta pública inicial. Os resultados sugerem que os investidores não estão seguros sobre as perspetivas da DigitalOcean num mercado dominado por empresas maiores.