A melhor informação da semana cursos | auditoria digital | blog
por Frederico Carvalho

Tópicos da semana:

✅ O que as compras de supermercado dizem sobre si; 
✅ Destaques das recentes conferências do Facebook (F8) e da Apple (WWDC);
✅ Democracia em chamas: Proteção de dados, Antitrust e extorsão digital em 2021;
🚀 Atualidades da semana no marketing & economia digital.

✨  Junte-se ao programa de referências e ganhe recompensas indicando os seus colegas e amigos para dar a conhecer a newsletter semanal com o resumo das principais novidades da tecnologia, marketing & economia digital.


FUTURO
ANÁLISE EXTENSA

O que as compras de supermercado dizem sobre si

O supermercado pode ser o local mais pertinente para verificar os efeitos das alterações tecnológicas nos consumidores, empresas e trabalhadores.

A pandemia alterou a forma como compramos alimentos e os supermercados estão a tornar-se mais parecidos com a experiência de compra da Amazon.

Os CTT estimam que o número de empresas a vender online durante a pandemia terá aumentado cerca de 90% e que o volume de encomendas realizadas através da internet, no mercado doméstico, aumentou 30%. 

Qual o impacto da percentagem relativamente pequena de pessoas que encomendava compras online para o futuro incerto dos hábitos de compra?

Houve um aumento do número de compradores online, 15% segundo os correios, correspondendo a um dos crescimentos mais elevados na Europa.

Adicionalmente, verificou-se um aumento da recorrência, já que os portugueses passaram a fazer 20 compras online por ano, o que aumentou a taxa de recorrência em 25%.  

O comércio online disparou e os interesses dos compradores mudaram: material desportivo, frigoríficos, congeladores e material de escritório foram os grandes focos de compras e vendas no mercado. 

Portugueses dependentes das promoções

Portugal mantém-se como o líder da dependência das promoções, com uma quota de 31,1% das vendas totais. Segue-se o Reino Unido, com 30,6%, e a Polónia, com 26,3%. No extremo oposto estão os espanhóis, franceses e mexicanos, com as promoções a pesarem 13,2%, 12,7% e 6,4%, respetivamente. A média global é de 21,4%.

Os dados são da Kantar para a Associação Portuguesa de Empresas de Produtos de Marca (Centromarca), mostrando que os consumidores portugueses compram, pelo menos, um produto em promoção em 60% das vezes que vão às compras para o lar. Portugal está também entre os países onde as marcas de distribuição, as chamadas marcas brancas, mais cresceram.

O diretor-geral da Centromarca reconhece que a massificação da dependência promocional gera um «reduzido efeito» de alavancagem de vendas, mas que continua, apesar disso, a ser uma «ferramenta fundamental» para as marcas, «aproximando-as dos consumidores e dotando-as de maior poder competitivo, «face às marcas dos distribuidores.» 

Na loja ou entrega em casa?

Uma das maiores alterações é que um elevado número de pessoas, durante a pandemia, começou a encomendar no supermercado online e a recolher nas lojas ou a solicitar a entrega em casa. 

Os CTT têm impulsionado o serviço de cacifos automáticos para recolha das compras online em superfícies comerciais.

Os supermercados não costumam ter muito espaço de manobra financeira. O padrão da indústria é de cerca de €5 em lucro numa compra de mercearia de €100.

A gestão dos supermercados do futuro?

Crê-se que o principal objetivo é otimizar a eficiência na montagem de encomendas de supermercado para manter os custos baixos.

Algumas lojas estão a utilizar aparelhos que direcionam os trabalhadores para o percurso mais rápido através da loja, até às 20 coisas da lista que têm de fazer.

Outros processos de trabalho ou embalagens de alimentos mudaram para que um trabalhador não perca tempo a pesar um quilo de maçãs, mas que possa simplesmente agarrar um saco de maçãs com um preço marcado e seguir o seu caminho.

Os supermercados não sabem como as gerações futuras vão querer fazer compras. 

Muitos dos supermercados adaptaram o princípio das linhas de montagem de encomendas em linha, semelhante a um armazém da Amazon.

A maioria das pessoas não vê o que acontece num centro de comércio eletrónico. As mudanças nas operações e empregos dos supermercados e mercearias estão a acontecer. 

A tecnologia está a mudar as nossas vidas e a força de trabalho.

  • A Microsoft na China anunciou, esta semana, uma parceria estratégica com a empresa de tecnologia de retalho chinesa, Hanshow, para colaborar num software baseado em nuvem, destinado a operadores de lojas em todo o mundo. (CNBC)
    • A Hanshow partilha que os seus produtos incluem rótulos eletrónicos nas prateleiras das lojas e que podem refletir as mudanças de preço em tempo real. Além disso, possuem um sistema que ajuda os trabalhadores a reduzir o tempo que levam para embalar os produtos para entrega. Hanshow acrescenta também que vende uma plataforma baseada em nuvem que permite ver, simultaneamente, as temperaturas dos produtos frescos nas lojas em todo o mundo.
  • Getir na Turquia, Gorilas da Alemanha e Dija da Grã-Bretanha são apenas algumas das apps que prometem aos utilizadores entregas de supermercado em 10 minutos.
  • Empresas de entrega de alimentos arrecadaram cerca de US $ 1.56 mil milhões em financiamento privado na Europa até este ano. Em 2020, o valor foi de US $687 milhões.
  • Os investidores acreditam que as novas empresas irão prosperar muito depois da pandemia, mas alguns especialistas questionam os seus modelos de negócios.

A cadeia de supermercados Kroger tem feito manchetes para investir em grandes armazéns automatizados com robots que, segundo a empresa, vão acabar por fazer grande parte do trabalho de montagem de encomendas de supermercado.

Outras empresas estão a testar mini armazéns anexos a lojas que são concebidas exclusivamente para montar encomendas online

Em Portugal, o Continente abriu recentemente o «supermercado do futuro». No Continente Labs, não há caixas de pagamento, não há filas.

Frederico Santos, Diretor de Inovação e Transformação Digital no Continente, considera que este local não é bem uma loja, mas mais «um laboratório» onde o grupo de retalho quer fazer uma série de experiências com a colaboração dos clientes.

A mais importante alteração é esta: entrar, comprar e sair do supermercado sem ter de perder um segundo. O único requisito consiste na identificação, à entrada, com um código QR na app para o smartphone.

A maioria dos supermercados não pode gastar o que o Walmart ou a Amazon investem em novas tecnologias. 

A Amazon desafiou o comércio tradicional a nível mundial com a influência técnica e expandiu agressivamente os seus centros de distribuição.

Os 26 locais da Amazon Go e os oito supermercados Amazon Fresh usam a tecnologia Just Walk Out sem caixas de pagamento.
Os clientes podem inscrever-se numa aplicação e fazer compras sem visitar a linha de caixa, com cada artigo registado quando colocado em «carrinhos de mão». As lojas têm estações onde os compradores podem fazer perguntas ao Alexa, o seu serviço de interação de voz.

Há ainda as lojas físicas da Amazon nos EUA, que incluem 502 Whole Foods Markets, no modelo mais tradicional.

Alguma da tecnologia promete ajudar os trabalhadores dos supermercados a aperfeiçoar o processo de recolha e embalagem de encomendas em linha.

Como é que os trabalhadores das lojas se sentem sobre as mudanças nos seus empregos?

A reação dos trabalhadores espelha-se nas redes sociais, nomeadamente como o exemplo da lista difundida no site da TSF, notando-se já uma reação de desconfiança e preocupação pelos seus postos de trabalho.

comentarios tsf

Pode não haver um futuro ideal para os compradores, supermercados e trabalhadores de supermercado.

As lojas offline não vão morrer.
A incerteza no futuro é saber qual será a proporção.


NOVIDADES BIG TECH
ANÁLISE EXTENSA

Destaques das recentes conferências do Facebook (F8) e da Apple (WWDC)

No princípio deste mês, o CEO do Facebook Mark Zuckerberg fez a promessa na conferência anual da empresa F8 developer conference que o Facebook voltaria às suas raízes e se concentraria diretamente na comunidade developer.

A empresa está a perder o seu controlo sobre o tempo e a atenção dos consumidores, e dado que o Facebook não será autorizado a adquirir quaisquer grandes plataformas em breve, começará também a perder o seu controlo sobre as carteiras dos anunciantes.

No início deste mês, o CEO do Facebook Mark Zuckerberg fez a promessa na conferência anual da empresa F8 developer conference que o Facebook voltaria às suas raízes e se concentraria diretamente na comunidade developer.

A empresa está a perder o seu controlo sobre o tempo e a atenção dos consumidores e, dado que o Facebook não será autorizado a adquirir quaisquer grandes plataformas em breve, começará também a perder o seu controlo sobre as carteiras dos anunciantes.

  • O Facebook anunciou uma série de novas ferramentas para programadores, incluindo vários recursos de mensagens para empresas.
  • As mensagens de negócios são o foco principal do Facebook que procura facilitar mais transações de comércio eletrónico diretamente nos seus serviços e permitir que as empresas  trabalhem melhor no suporte ao cliente via Messenger, WhatsApp e Instagram.

Zuckerberg aparece apenas durante dois minutos e 45 segundos, para dizer:

«O F8 começou como uma hackathon para programadores, e ao longo dos anos continuamos a adicionar sessões até se tornar o nosso principal evento do ano. Mostrámos drones, câmaras 3D, e até Vin Diesel. Houve muitos anúncios para as pessoas que utilizaram os nossos produtos, mas não tanto para os programadores que realmente construíram para eles. Portanto, este ano estamos a concentrar-nos em vocês, os programadores de todo o mundo que são os que estão a construir coisas espantosas nesta plataforma.»

zucerberg

O Facebook está numa fase de transição de uma empresa de entretenimento para um utilitário – e o que se passa com os utilitários é que eles são muito valiosos.

Parte disto está do lado do consumidor: veja o sucesso do Facebook Marketplace, por exemplo, que está agora a chamar a atenção para o antitrust, na Europa; 

O ângulo do programador, no entanto, é a construção de ferramentas para as empresas usarem as mensagens no Messenger, WhatsApp e Instagram, para tudo, desde o apoio ao cliente até ao marketing direto ao comércio. 

O Facebook está a construir tudo, desde um programa de parceiros certificados até uma nova loja de negócios do Facebook para que os programadores possam listar aplicações para os proprietários de empresas, e ficou claro que as suas capacidades em expansão seriam impulsionadas por APIs disponíveis publicamente. 

Destaques da conferência:

  • API do Messenger para Instagram:
    O Facebook anunciou que todas as empresas têm agora acesso à interface ou à API para mensagens no Instagram. 

Isso facilitará as empresas a automatizarem e gerirem a comunicação direta de mensagens com os utilizadores. 

Por exemplo, as empresas podem criar respostas automáticas ou fluxos de trabalho para perguntas ou solicitações comuns dos consumidores, como «Qual é a sua política de devolução?» ou «Rastreie o meu pedido» antes de iniciar um live-chat com um representante da empresa ao vivo.

Já existem ferramentas para as empresas enviarem mensagens às pessoas via WhatsApp ou Messenger, mas atualmente também podem criar experiências de mensagens semelhantes no Instagram.

  • Melhorias no WhatsApp para comunicação empresarial:
    O Facebook também anunciou uma série de novas ferramentas para o WhatsApp. Isso inclui mensagens de lista que permitem que as empresas forneçam aos consumidores em menu até 10 opções.

    A empresa também anunciou os botões «Responder», que permitem aos utilizadores escolher respostas pré-escritas à medida que se comunicam com as empresas.

    Anunciou também uma integração mais rápida da sua API WhatsApp Business, para que as empresas possam preparar-se para começar a trocar mensagens com os consumidores, em minutos.

    O processo costumava levar semanas.
  • Realidade aumentada (RA) para várias pessoas:
    Como parte do seu esforço para habilitar mais recursos de RA para os utilizadores, o Facebook anunciou o seu programa beta Multipeer API. Esta tecnologia possibilita que os programadores de software criem efeitos de RA que funcionam de forma síncrona para vários utilizadores em simultâneo.

    Assim, por exemplo, os utilizadores podem entrar em videochamada em grupo pelo Messenger e aplicar um filtro RA criado com a API Multipeer. 

«A longo prazo, estas capacidades fundamentais irão sustentar o conteúdo que verá sobreposto nos óculos de Realidade Aumentada que estamos a construir», tuitou Andrew Bosworth, chefe de hardware do Facebook.


Novidades na conferência da Apple WWDC 2021

Na segunda-feira, dia 7 de junho, decorreu a conferência Apple Worldwide Developers Conference (WWDC), e o ambiente era tenso, já que alguns criadores criticaram a postura da Apple sobre as aplicações iPhone, acusando a gigante tecnológica de impor custos e complexidades injustas a eles e aos utilizadores do iPhone. 

  • Depois do evento, no início da primavera, trazer o colorido iMac de 24 polegadas, Siri Remote e um novo iPad Pro com um processador M1 e uma tela Liquid Retina XDR, a WWDC não teve nenhum lançamento de hardware. Para os entusiastas, encontrei um resumo do que é esperado ao nível de hardware até 2022. Ver aqui >

A Apple recebe uma comissão de até 30 cêntimos por dólar de cada venda, numa aplicação para iPhone. 

Recentemente, cortou a sua comissão para 15 cêntimos por dólar para todas as aplicações exceto as mais vendidas, embora essa alteração afete uma fração das receitas da Apple.

Outros fabricantes de aplicações acreditam que a Apple bloqueia injustamente as suas aplicações ou coloca-as em desvantagem em relação aos serviços concorrentes da Apple na Internet. 

Os queixosos podem ser uma minoria entre os dois milhões de aplicações para iPhone, mas há interesses influentes como a Spotify, Match Group, Airbnb, o fabricante do jogo Fortnite, ou a Epic Games, cujo julgamento contra a Apple foi concluído no mês passado.

Depois da polémica, as novidades:

  • O FaceTime não só adicionou a capacidade de enviar ligações para chamadas programadas, tornando-o uma alternativa a serviços semelhantes ao Zoom, como também adicionou características que os concorrentes não conseguem, como a partilha de ecrã em dispositivos iOS. 
  • A Apple também anunciou o SharePlay, permitindo aos utilizadores ouvir a mesma música ou ver os mesmos serviços de vídeo em streaming enquanto estão numa chamada FaceTime. Embora a Apple tenha anunciado uma API SharePlay para incorporar serviços de música e vídeo de terceiros, não existe uma API semelhante para outros serviços de videochamada.
  • Intelligence e Spotlight compreendem e reúnem, não só informação textual, mas também informação baseada em imagem e combinam serviços (Apple), como Maps e Siri.
    Detalhe: Imaginem tirar fotografia a um menu no restaurante. O software faz, em segundos, a leitura OCR da imagem e transforma as letras presentes, em texto editável, para enviarmos se quisermos por email. O impacto que isto vai ter nos livros, ui…
  • Photos Memories está integrado na Apple Music para fornecer uma banda sonora às montagens fotográficas.
    É um animoto.com integrado no sistema operativo. Assistià apresentação e achei surreal de tão fácil e prático.
  • A Wallet está a expandir-se para cartões de crédito ou de fidelização, chaves de carro, de casa, ou de hotel, e até mesmo cartões de identificação. Todas estas são armazenadas no elemento seguro nos chips da própria Apple.
  •  Os AirPods têm uma integração muito mais profunda com o Siri, que pode agora iniciar conversas e não apenas responder. Estão a expandir, ainda, as suas capacidades de áudio espacial dos dispositivos iOS para a Apple TV.
  • A primeira demonstração no iPad transforma o Apple Notes num serviço de registo de notas para todo o sistema que está disponível noutras aplicações (Apple) e, naturalmente, sincroniza através de dispositivos Apple. O Apple Translate está também disponível como um serviço para todo o sistema através de dispositivos Apple.
  • O FaceTime criou vantagens ao nível do sistema sobre Zoom, Teams, e outros serviços de videoconferência. As mensagens têm ligações especiais a aplicações por defeito do sistema, como Fotos e Safari; essas aplicações, como a Apple Music, têm ligações especiais ao serviço de mensagens padrão.
  • A Apple Maps e Siri estão ligados à Intelligence e Spotlight de uma forma que o Google Maps e Alexa não podem. A Google Assistant não tem acesso especial aos AirPods, nem aos dispositivos não-Apple.

A base da segurança iOS é a sua arquitetura sandbox. O facto de uma aplicação não poder tocar em mais nada no sistema não é apenas uma vitória para os utilizadores, mas também para os programadores em geral, pois foi um elemento essencial para revigorar o mercado de aplicações depois da confusão que foi o malware do Windows há uma década.

Embora as interconexões impulsionadas por API ofereçam a maior potência e flexibilidade a longo prazo, é preciso muito tempo para se obter o resultado certo e, mais importante ainda, seguro. 

Ao controlar ambos os lados de uma integração, como os que existem entre o Messaging e o conjunto de aplicações «Shared-with-you», a Apple pode concentrar-se numa experiência de utilizador sem descontinuidades que proporcione uma capacidade útil mais cedo e de uma forma mais intuitiva do que poderia ter sido de outro modo (e, com o tempo, talvez abrir uma API a terceiros).

O PPlware fez um trabalho detalhado com estas e outras novidades.



SOCIAL
ANÁLISE EXTENSA

Democracia em chamas: Proteção de dados, Antitrust e extorsão digital em 2021.

Esta semana verificaram-se três situações que envolvem a destreza tecnológica e a sua manipulação abusiva, dignas de reflexão e que, a continuarem negligenciadas, podem ferir o estado das democracias: O tratamento e proteção de dados pessoais e organizacionais; dos danos monetários envolvidos e da legislação de segurança inerente.

  • Soube-se pela voz de uma cidadã de origem russa e depois corroborada pelo presidente da Câmara Municipal de Lisboa (CML), Fernando Medina, que, há seis meses, os dados de 3 ativistas russos (dois deles também com nacionalidade portuguesa) e que organizaram uma manifestação pro-oposição russa, foram enviados para a embaixada da Federação Russa em Portugal e para o Ministério Russo dos Negócios Estrangeiros.

    Divulgada esta delação suscetível de colocar em causa os direitos dos cidadãos e a segurança física dos mesmos – que levou o presidente do município de Lisboa a pedir desculpas públicas por “um erro que não devia ter acontecido” relacionando o facto à aplicação de uma lei antiga –  surgem agora dúvidas sobre a eventual partilha de outros dados que envolvem outros países, nomeadamente informações relativas a ativistas palestinianos.

    Segundo os media Expresso e Observador, a troca de emails entre a CML e o Comité para a Solidariedade com a Palestina, com data de 2019, levou a autarquia a assumir ter enviado informação para Israel, China e Venezuela. 
  • Do outro lado do Atlântico, a empresa JBS, a maior processadora de carne do mundo, confirmou que pagou um resgate de US $ 11 milhões a piratas informáticos russos (9.071.700 Euros). 

    O CEO, André Nogueira, da JBA USA, considerou que foi «uma decisão muito difícil de tomar» e explicou que essa decisão teve de ser tomada para, disse, “evitar qualquer risco potencial para os nossos clientes. A JBS está sediada no Brasil, mas o hack da semana passada teve como alvo servidores nos Estados Unidos e Austrália. O FBI diz que o grupo pirata REvil foi o responsável.
  • A agência antitrust da União Europeia, através da principal autoridade, Margrethe Vertager, manifestou esta semana a sua preocupação com potenciais práticas anti concorrenciais no mercado, face à rápida expansão de dispositivos conectados, atualmente liderado por gigantes tecnológicos incluindo Google, Apple e Amazon.

    Um dos problemas identificados é o controlo sobre grandes conjuntos de dados que ajudam as empresas dominantes a manter o seu poder de mercado.

A vigilância coletiva deve questionar-se sobre o poder dos dados

Ora, estes três exemplos evidenciam uma ação coletiva de preocupação e verificação ao controlo sobre dados e o resultado é claro: Falhas na gestão de informações potencialmente sensíveis.

  • No primeiro caso, relativo à CML, já decorre o processo de averiguações pela Comissão de Proteção de Dados com um inquérito sobre a partilha de dados de nomes, moradas e contactos de três manifestantes russos, além da opinião pública a exigir saber se houve outras delações relativas a outras manifestações.
    O Parlamento português vai ouvir o presidente do município e o Ministro português dos Negócios Estrangeiros.
  • No segundo, o FBI (Ransomware and Digital Extortion Task Force) e outras autoridades nos EUA, já estão a analisar este incidente.
  • E, no terceiro, a Comissão Europeia também está a avaliar os seus efeitos.

Os três casos merecem um olhar atento e crítico.
Já passou mais de uma década desde que a indústria tecnológica emergiu da crise financeira, como uma influência dominante nas economias e na forma como vivemos e percebemos o mundo. 

Há razões para envolver dados nestas ações, mas o que nos deve fazer questionar é sobre o poder que as mesmas detêm.

Tais poderes se utilizados sem regras ou sem cuidados éticos, podem colocar em perigo as próprias democracias.

No contexto deste artigo, inserido na newsletter «A melhor informação da semana», destaco também uma recorrência, o cibercrime, que envolve hackers que invadem as redes informáticas e bloqueiam informação digital até a vítima pagar pela sua libertação.              

Nos últimos meses, os gangues criminosos atingiram grandes empresas, escolas e universidades, governos locais, hospitais e a polícia. E estão a ficar mais descarados.

Acrescentaram uma nova ameaça, ou seja, a divulgação pública de dados das organizações, se estas não pagarem. E esta modalidade criminosa tem vindo a aumentar, com pedidos de com pedidos de resgate até às dezenas de milhões de euros.

Recentemente um departamento de polícia na Florida (EUA), alvo de um destes ataques, viu e divulgados registos, incluindo uma pasta rotulada «morto» com fotografias de corpos de cenas de crime. No mês passado, a Colonial Pipeline pagou aos hackers $4,4 milhões de dólares de resgate.

A Europa tem sido pioneira nas exigências e as autoridades optam repetidamente por arriscar fazer demasiadas regras para a tecnologia, em detrimento da sua agilização.

Esta abordagem europeia, tanto pode ser visionária, como pode matar a inovação útil no berço. É definitivamente um laboratório do mundo real.

Recentemente surgiram novas regras propostas para regular a utilização da inteligência artificial, incluindo em carros autoconduzidos, empréstimos bancários, pontuação de testes e justiça criminal.

Alguns usos da Inteligência Artificial (IA) seriam proibidos, com exceções como software de reconhecimento facial ao vivo em espaços públicos. Noutras áreas, o projeto de regras exigiria que as empresas avaliassem os riscos da sua tecnologia, documentassem a forma como esta toma decisões e, em geral, fossem abertas ao público sobre o que se passa sob o capuz da IA.

Mas as autoridades europeias estão a mostrar que querem prever o que pode correr mal com a tecnologia e tentar travar eventuais malefícios – em alguns casos antes de a IA estar a ser amplamente utilizada.

A escolha de regular primeiro não é tipicamente a forma de atuação nos Estados Unidos.

Algumas jurisdições dos EUA proibiram ou limitaram o uso do reconhecimento facial pela aplicação da lei, e muitos estados estabeleceram regras de segurança para empresas que querem testar carros sem condutor nas estradas públicas. Aqui a tendência é esperar os seus resultados e se algo correu mal, tentar fazer algo a esse respeito.

A abordagem ao estilo americano de esperar para ver a regulamentação significa que as novas ideias têm menos barreiras para se tornarem realidade. 

O que deve ser feito?

Não há bala de prata, mas há algumas medidas que podem ajudar. 

Os governos podem designar o resgate como uma ameaça à segurança nacional a par do terrorismo, o que iria canalizar mais recursos de inteligência para o combater. Países que são portos seguros para gangues poderiam ser sujeitos a sanções ou restrições às viagens para Europa e Estados Unidos. Esta medida vai pressionar os países a perseguir os criminosos no próprio país.

A maioria dos gangues de «ransomware» exige o pagamento em Bitcoin, o que poderia ajudar a localizar os criminosos se as regras da indústria bancária e as leis contra o branqueamento de capitais fossem aplicadas com trocas de divisas criptográficas.

Poderíamos também exigir que as empresas e agências governamentais que são atingidas por ataques, os divulgassem publicamente.

Precisamos de uma linha direta do tipo 112 para as vítimas de pirataria informática/dados usurpados/extorsão informática. As organizações, muitas vezes, não sabem a quem ligar quando são visadas.

Qual o papel das organizações alvo de ataques?

Se as empresas, agências e organizações governamentais exigissem que todos os empregados e outros que acedem às suas redes informáticas utilizassem palavras-passe fortes, gestores de palavras-passe e autenticação em várias etapas, seria um caminho para evitar ciberataques.

Os resgates e outros ciberataques vão piorar.
Mas o problema central é a falta de urgência e investimento para proteger os sistemas digitais.

E é esta questão de investimento na proteção, fundamental do ponto de vista do desenvolvimento tecnológico e transversal a muitas outras situações, obviamente também ao caso que envolve a Câmara Municipal de Lisboa. O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, considerou que há procedimentos administrativos, porventura em toda a administração pública portuguesa, que não acompanharam a evolução da aplicação legal referente a dados pessoais e direitos fundamentais.

Será crescente a problemática da concentração de poder e do crescimento da tecnologia em múltiplos dispositivos com acesso à internet.

Educação é poder.

🎁 Partilhe → Ganhe Recompensas

Junte-se ao programa de referências e ganhe recompensas indicando os seus colegas e amigos para dar a conhecer a newsletter semanal com o resumo das principais novidades da tecnologia, marketing & economia digital.

Ao inscrever-se no programa de referências, terá acesso a um URL único para partilhar nas redes sociais, email, etc, ganhando pontos = prémios.

programa de referências marketing

Saber mais >


Cursos Online

🚀 Atualidades do mundo do marketing & economia digital

📌
O Presidente Biden revogou uma série de ordens executivas da era Trump destinadas a proibir o TikTok e o WeChat e assinou uma nova ordem que exige uma revisão das aplicações de propriedade estrangeira que representam riscos de segurança.

A medida marca uma mudança em relação à posição de Trump, que no ano passado tentou bloquear a TikTok de operar nos EUA e obrigar a empresa-mãe, ByteDance, a vender a aplicação. No entanto, isto não põe um ponto final no assunto.

Nos termos da nova ordem, o Secretário do Comércio deve fornecer um relatório com recomendações para «proteger contra danos da venda, transferência ou acesso irrestrito aos dados sensíveis de pessoas dos Estados Unidos». 

Espera-se, então, que o departamento governamental recomende ações executivas e legislativas adicionais para lidar com os riscos identificados.

O grande quadro: A guerra comercial pode ter esmorecido, mas Biden está a adotar uma abordagem de confronto com a China.
Apenas na última semana…

  • Biden proibiu investidores americanos de financiar 59 empresas chinesas, incluindo o gigante tecnológico Huawei.
  • Os EUA revelaram uma «força de ataque» da cadeia de abastecimento destinada à China. 
  • O Senado aprovou uma lei de 250 mil milhões de dólares que investe em ciência e tecnologia americana para desafiar as crescentes ambições económicas da China.

📌 
O gigante chinês do comércio eletrónico Alibaba desenvolveu um camião de condução autónoma com a sua filial logística Cainiao e, no próximo ano, lançará 1000 robôs de entrega autónomos, anunciou o chefe de tecnologia da empresa, Cheng Li.

Na China, a condução autónoma é uma prioridade nacional e a Alibaba é um dos maiores transportadores de mercadorias em todo o país.

📌 
O Facebook planeia lançar um relógio inteligente, um concorrente aos 34 milhões de relógios da Apple vendidos no ano passado. (Counterpoint Research)

Os relógios serão ligados com os óculos inteligentes que o Facebook planeia lançar no final deste ano. Zuck está de tal forma otimista com os óculos de alta tecnologia que prevê que eles se tornarão tão comuns como os telemóveis.

📌 
A Casa Branca irá alegadamente fornecer 500 milhões de vacinas Pfizer-BioNTech a 100 nações durante o próximo ano, num esforço para enfrentar a escassez global de vacinas.

📌 A GameStop avançou com o seu pivô para o comércio eletrónico, nomeando o antigo executivo da Amazon Matt Furlong como o seu CEO e o cofundador Chewy Ryan Cohen como presidente. 

📌 
El Salvador tornou-se o primeiro país a aprovar a bitcoin como moeda com curso legal, o que significa que a maioria das empresas de El Salvador terá de aceitar o crypto como pagamento por bens e serviços. 

📌 
A repressão criptográfica da China está a entrar em excesso de velocidade. A China prendeu, esta semana, mais de mil pessoas por usarem criptográficos alegadamente por lavagem de dinheiro. Entretanto, os serviços de Internet mais populares da China, tais como o Weibo e o Baidu, terão censurado as trocas de criptogramas normalmente utilizadas pelos comerciantes chineses. 

No fim de semana passado, as contas criptográficas mais populares foram suspensas na plataforma de meios de comunicação social da Weibo. 

Há algumas semanas, a China proibiu as instituições financeiras de oferecer produtos relacionados com criptográficos.

Parece que a China quer acabar com o interesse pela criptografia entre as pessoas normais, quer seja um comerciante em início de atividade ou alguém que esteja apenas curioso em relação à criptografia. 

A China argumenta que quer proteger os seus cidadãos de perderem dinheiro em criptográfico. 

Há também o impacto ambiental da mineração de bitcoin. A maior parte da mineração de bitcoin está concentrada na China e alimentada por fontes de energia sujas como o carvão. Um estudo recente publicado na Nature descobriu que o consumo anual de energia da extração de bitcoin na China atingirá o seu pico em 2024, gerando 130,5 milhões de toneladas métricas de emissões de carbono.