Existe um alvo antitrust mais óbvio do que o monopólio do Facebook: as App Stores. Existem limitações ao nível da API que limitam a concorrência, políticas restritivas na revisão de aplicações que estendem esse controlo de API muito além do controlo técnico.

Qual é a resposta do mercado ao duopólio iOS-Android?

mobile market share portugal 2021
Mobile MarketShare Portugal
mobile market share app store
Mobile MarketShare Global

A concessão da Apple App Store em 2021

A Apple Inc. partilhou a sua nova função que permite às apps criar ligações para as páginas de registo/subscrição nos sites dessas empresas, permitindo que a Spotify Technology e a Netflix Inc. contornassem o corte de subscrições do fabricante do iPhone. 

A Spotify e outras empresas de tecnologia há anos que afirmam que as restrições da Apple eram injustas e anticoncorrenciais.

As alterações entram em vigor no início do próximo ano, de acordo com a Apple, uma vez que os governos questionaram o poder que a empresa detém sobre os programadores de software de terceiros que distribuem os seus bens e serviços digitais através do iPhone e do tablet iPad.


Diretriz implacável da Apple App Store

A App Store é um serviço de distribuição digital de apps móveis, a loja oficial de apps para o sistema operacional iOS e iPadOS da Apple. A App Store é o único local onde os utilizadores de iPhone podem descarregar aplicações nativas. 

A Apple publicou a diretriz que deve ser cumprida pelas aplicações na App Store e revê estas aplicações com base nesse diretriz. No processo de revisão, quando a Apple constatar que a aplicação não cumpre a diretriz, a aplicação não poderá ser distribuída através da App Store.

A Apple, com base na App Store Review Guidelines (Diretriz), exige que os criadores utilizem os meios de pagamento que a Apple especifica para a venda de conteúdos digitais, cobrando aos criadores uma taxa de 15 ou 30% das vendas através do seu sistema de pagamento.

Nos setores de streaming de música, e-books, serviço de streaming de vídeo, os criadores têm dificuldade em reduzir ainda mais os custos em geral, devido aos seus pesados encargos, tais como a taxa de direitos de autor para os detentores de conteúdos.

Alguns criadores de serviços de streaming de música e de outros conteúdos digitais distribuem aplicações que são utilizadas não para vender os seus conteúdos, mas, principalmente, para ouvir, ler, ver os conteúdos digitais que os utilizadores compraram através de websites ou outros meios. Alguns destes programadores vendem os seus produtos apenas através de páginas web.

A Apple distribui as suas próprias aplicações de serviço de streaming de música e vende conteúdos digitais.

A diretriz, além de estipular a obrigatoriedade da utilização do seu sistema de pagamento para vendas de conteúdos digitais, proíbe a inclusão de links ou botões externos na aplicação para induzir os consumidores a comprar pelo seu meio de pagamento.

Este é um resumo notavelmente sucinto do quão problemáticas são as diretrizes da Apple. A empresa concorre diretamente com serviços que, devido ao custo de aquisição do seu conteúdo, não podem suportar a taxa de 30% da Apple, e, no entanto, a Apple nem sequer deixa que estes serviços sejam ligados aos seus websites para compra. É honestamente difícil imaginar algo na história do antitrust que seja mais flagrantemente anticoncorrencial.

E assim, em resposta a isto, a Apple está a realizar uma alteração importante na App Store. 

Em resposta à investigação da Japan Fair Trade Commission (JFTC), a Apple fez melhorias, permitindo aos criadores de aplicações incluir um link para o seu website, onde os utilizadores podem criar ou gerir uma conta. 

Embora o acordo tenha sido feito com a JFTC, a Apple aplicará esta alteração globalmente a todas as aplicações na loja a começar pelas apps que fornecem conteúdos previamente adquiridos ou assinaturas de conteúdos para revistas digitais, jornais, livros, áudio, música e vídeo.  

Grátis, Fremmium e o ilusionismo das apps na Apple Store

Isto não responde às preocupações de todos os criadores, com certeza.

Para rever rapidamente, as aplicações «Reader» que são definidas pelas Diretrizes da App Store como aplicações que «permitem a um utilizador aceder a conteúdos previamente adquiridos ou assinaturas de conteúdos (especificamente: revistas, jornais, livros, áudio, música e vídeo)».  Dada essa definição, existem três categorias de programadores, em termos gerais, que podem ter dores de cabeça:

  • Primeiro, são os serviços multiplataforma que não se enquadram na distinção «Reader App»; como, por exemplo a plataforma de leitura de email como o mymail, hey.com, que esteve no centro da grande controvérsia da App Store de 2020. Estas empresas competem por vezes com as ofertas integradas da Apple (como o Mail.app) e suportam certamente o fardo de múltiplas ofertas de pagamento através de diferentes plataformas.
  • Em segundo lugar, estão as aplicações de produtividade específicas da plataforma.
  • Terceiro, são os jogos, incluindo o Fortnite da Epic Games.

Os serviços multiplataforma, são, a meu ver, claramente limitados pelas políticas da Apple, o que não é apenas um problema para as empresas afetadas, mas também um obstáculo à inovação. 

O número de aplicações gratuitas tanto na loja Google Play como na Apple Store tem sido consistentemente superior ao número de aplicações pagas.
Os editores e programadores de apps têm várias estratégias possíveis disponíveis quando se trata de gerar receitas a partir das suas interações com o público.

Os modelos Freemium permitem aos utilizadores desbloquear todas as funcionalidades de uma aplicação após pagarem um único preço ou um valor recorrente, mas dão acesso a funcionalidades básicas de forma gratuita.

As receitas geradas pelos pagamentos de assinaturas recorrentes têm vindo a aumentar. As assinaturas únicas ou vitalícias ainda têm a sua quota nos principais verticais da indústria. Nos últimos anos, os criadores de apps têm prestado cada vez mais atenção à experiência dos utilizadores, e os novos métodos de publicidade refletir este aspeto.

Em 2020, a União Europeia redigiu o Digital Market Act, com o objetivo de assegurar um grau de concorrência saudável no ambiente tecnológico. Em Agosto de 2021, o Senado dos Estados Unidos apresentou o Open Apps Market Act para reduzir os gigantes da tecnologia “o controlo do mercado das aplicações digitais”. No mesmo mês, a Coreia do Sul alterou o Telecommunication Business Act, que permitirá que os criadores de aplicações utilizem métodos de pagamento de terceiros.


Em 2025, prevê-se que os gastos em aplicações móveis atinjam 185 mil milhões de dólares americanos e 85 mil milhões de dólares americanos na Apple App Store e na Google Play Store, respectivamente.

Tanto a Google como a Apple anunciaram algumas alterações nas suas políticas das suas lojas de apps, como a redução das comissões para pequenas editoras que geram menos de 1 milhão de dólares americanos em receitas anuais

A geopolítica da China na tecnologia da Apple

Regras que são transparentes, previsíveis e aplicadas de forma justa permitem que as forças de mercado assumam o papel de dirigir a atividade económica, aumentando a eficiência e permitindo que a inovação floresça.

Isto implica inevitavelmente alguma cedência de poder por parte dos governantes. Implica também, potencialmente, uma mudança política. 

As empresas empresariais privadas da China impulsionaram a maior parte do sucesso tecnológico do país, embora os seus interesses nem sempre tenham alinhado com o objetivo do Estado de reforçar a tecnologia nacional.

Pequim, por exemplo, começou recentemente a reprimir certas empresas de consumo na Internet e empresas de educação online, em parte para redirecionar os esforços do país para outras tecnologias estratégicas, tais como chips de computador. 

O ex-presidente dos EUA Donald Trump também veio alterar a situação. Ao sancionar empresas chinesas empreendedoras, forçou-as a deixar de depender de tecnologias norte-americanas como os semicondutores. 

Agora, a maioria delas está a tentar obter alternativas nacionais ou a conceber elas próprias as tecnologias necessárias. 

Por outras palavras, o gambit de Trump conseguiu o que o governo chinês nunca conseguiu: alinhar os incentivos das empresas privadas com o objetivo de autossuficiência económica do Estado.

O que acontece, porém, se as prioridades dessas empresas privadas passarem de ganhar no mercado para satisfazer o Partido? 

Haverá um custo para perder fundadores e empresários de classe mundial, como o CEO da ByteDance Zhang Yiming e o CEO da Pinduoduo Colin Huang

Uma coisa é alinhar os incentivos privados com os incentivos estatais; é uma questão em aberto se, ao fazê-lo, a eliminação do impulso para o domínio e lucros exagerados acabar por ser um caso de um passo em frente e dois passos atrás.

A Apple bloqueia termos ofensivos, palavras e certas combinações de emojis especificamente na China, em Hong Kong e em Taiwan.

O Citizen Lab, um grupo de pesquisa da Universidade de Toronto, publicou recentemente um estudo que revela diversas palavras/termos específicos que a Apple não permite serem gravados nos seus produtos, desde AirTags a iPads.

A lista possui 1.105 palavras-chave censuradas, mas o site acredita que a proibição varia, dependendo da região.

Na China a Apple censura quase a mesma quantidade de termos políticos quanto aqueles relacionados a conteúdo sexual explícito ou vulgaridade (como acontece em outros países).

43% de todos os termos censurados (458 deles) referem-se ao sistema político do país, ao Partido Comunista no poder, aos altos funcionários do partido, ao governo ou a dissidentes. Dessas palavras, 174 delas também se aplicam em Hong Kong e 29 em Taiwan.

No total, Hong Kong tem 542 palavras censuradas; já Taiwan tem 397. Um exemplo é a tradicional frase chinesa que se traduz como “liberdade de imprensa”, que é censurada na China continental e em Hong Kong.

Numa carta enviada ao Citizen Lab, a chefe de privacidade da Apple, Jane Horvath, disse que a empresa não permite solicitações de gravação que “seriam consideradas ilegais de acordo com as leis, regras e regulamentações locais dos países e regiões”.


As três fases da tecnologia de grande consumo:

À medida que há evoluções, como a BitCoin, NFT, ou a economia impulsionada pelos modelos da Uber & AibnB, parece realmente que os operadores estabelecidos têm vantagens intransponíveis: os hiperescaladores na nuvem estão melhor colocados para lidar com a torrente de dados da Internet das Coisas, enquanto novos dispositivos como a realidade aumentada, ou voz, são extensões naturais do telefone.

  • A época do PC o Windows reinava como sistema operativo, softwares de produtividade como aplicações fundamentais, e o correio eletrónico era o meio de comunicação dominante.
  • A época da Internet o browser é como um sistema operativo, a pesquisa como a sua funcionalidade mais assertiva, e as redes sociais, particularmente o Facebook, é o meio de comunicação dominante.
  • A época móvel tem o iOS e o Android como sistemas operativos, a economia de partilha como a sua característica mais visível, e o envio de mensagens é o meio de comunicação dominante.

Por outras palavras, as empresas atuais de nuvem e móveis – Amazon, Microsoft, Apple e Google – podem muito bem ser a GM, Ford e Chrysler do século XXI. 

A era inicial da tecnologia, onde todos os anos se iniciavam novos desafios, não terá a mesma prosperidade, o que não significa que a tecnologia tenha menos impacto.

A época da Internet não era realmente sobre o hardware subjacente; pelo contrário, foi a época do PC que forneceu a base para a época da Internet. 

Google e o Facebook teriam sido menos valiosos se não existissem já centenas de milhões de pessoas com PC e ligações à Internet; uma redução semelhante no valor teria ocorrido se a Microsoft tivesse sido capaz de controlar o que as pessoas acediam na web e em que termos.

Foi a Internet, entretanto, que deu ao telemóvel o combustível para arrancar do terreno; lembre-se de como Steve Jobs introduziu o iPhone:

Jobs não estava errado – a Apple reinventou absolutamente o telefone -. mas fê-lo, no fundo, de conceitos que já existiam: o iPod, os telemóveis e, mais importante ainda, a Internet. E depois a Apple introduziu a App Store.

A economia da Apple App Store

Treze anos depois é importante recordar a abordagem da Apple à App Store não só para o iPhone, mas também para os programadores. 

As pessoas fazem muito mais compras digitais e instalam muito mais aplicações nos seus dispositivos móveis (iOS ou Android) do que nos seus PC (Mac ou Windows).

Segundo a statista, no primeiro trimestre de 2021, existiam cerca de 2,22 milhões de apps móveis disponíveis na Apple App Store, representando um aumento de 6,10% das apps móveis em comparação com o trimestre anterior .

Os argumentos sobre as App Stores são para uma classe técnica e empresarial. 

A qualidade da experiência do utilizador de cada plataforma informática está diretamente correlacionada com a quantidade de controlo exercido pelo seu proprietário da plataforma. O estado atual da rede mundial sem dono fala por si.

É fácil para os criadores medir os 30% que a Apple retira dos seus ganhos ou o custo que leva a implementar as APIs de compra da empresa ou o tempo que leva a lidar com a App Review. 

É mais difícil, particularmente em 2021, apreciar até que ponto a Apple aumentou o total do marketshare, não simplesmente inventando um dispositivo que pudesse ser utilizado em todo o lado, mas também impondo um modelo de distribuição que fez com que os consumidores se sentissem seguros e, portanto, dispostos a experimentar muito mais aplicações do que alguma vez experimentaram no PC. 

marketing-digital-frederico
Sistema Operativo – MarketShare Global
marketing-digital-frederico
Sistema Operativo – MarketShare Portugal

É possível que a flexibilização das regras da App Store possa ter consequências involuntárias.

O que é novo na App Store é a mudança de cada vez mais aplicações de produtividade para modelos de subscrição. 

Esta tendência, para ser justa, começou com a Microsoft e a Adobe, mas mesmo as aplicações utilitárias básicas seguiram o exemplo. 

Durante anos, pequenas aplicações prosperaram no PC e especialmente no Mac, alavancando a distribuição na Internet e rentabilizando através de atualizações pagas, o que alcançou um equilíbrio entre ganhar mais dinheiro com os seus melhores clientes, uma necessidade para cada negócio, sem introduzir o cansaço das assinaturas e um sentimento de ressentimento dos clientes marginais que não têm a certeza se podem justificar a despesa contínua.

O que é criptografia? Apple App Store

A criptografia é um sistema de algoritmos matemáticos que codificam dados do utilizador para que só o destinatário possa ler. A área da criptologia estuda e pratica princípios e técnicas para uma comunicação segura. Mais ainda, a criptografia refere-se à construção e análise de protocolos que impedem terceiros, ou o público, de lerem mensagens privadas.

A App Store, porém, não é um vácuo: é uma economia onde a Apple estabelece as regras e como os modelos tradicionais de negócio adaptam as suas características de negócio e privacidade para a área digital.

Vale a pena notar que existe uma razão adicional além da ganância ou do controlo da experiência do cliente, pela qual a Apple e a Google podem não estar motivados a abdicar do seu controlo das aplicações: a criptografia.

Lembre-se de que a Internet forneceu a ponte do PC para o móvel; num mercado que funciona bem, as aplicações e as APIs ao nível de plataforma forneceriam a ponte do móvel para o criptográfico.  Basta pensar em todos os obstáculos que existem para tornar as aplicações criptográficas de fácil utilização e acessíveis aos utilizadores em geral.