A melhor informação da semana cursos | auditoria digital | blog
a sua newsletter de marketing & economia digital
por Frederico Carvalho

Nota:
Esta semana entre formações de email-marketing, marketing digital para empresas, escrevi uma extensa análise de mercado: O monopólio da tecnologia explicado  
Acho que vão gostar. Pelo menos tem a dedicação de 2 dias inteirinhos na redação. 😊

O meu amigo Pedro Caramez, o maior especialista de LinkedIn em língua portuguesa, abriu as inscrições para o seu curso Linked2Power. Recomendo.

ANÁLISE EXTENSA
Google anuncia abanão na publicidade digital

Google anuncia abanão na publicidade digital

A Google planeia eliminar gradualmente a  possibilidade de as empresas rastrearem os utilizadores através da web, utilizando cookies.

O grande negócio: Os cookies são pequenas migalhas de informação digital que as empresas, anunciantes e websites têm usado para seguir o seu movimento através da Internet

Até certo ponto, as empresas de publicidade modernas como a Google e o Facebook são construídas em castelos de açúcar apetitoso com cookies.

Segundo a Google, este é um passo «em direção a uma web mais respeitadora da privacidade primeiro». (risos)😆

(⭐Pro ↓)

[Locker] The locker [id=92430] doesn't exist or the default lockers were deleted.

AUDIO & PODCAST

A economia de influenciadores em expansão 

Esta semana, participei numa reunião com uma prestigiada marca brasileira de beleza e cosmética e o tema dos influenciadores veio à baila, onde não sou especialista, mas fui espreitar para estar informado.

Espera-se que o setor chegue aos 15 mil milhões até 2022 e, com novas plataformas e regulamentos pró-influenciadores, é cada vez mais difícil dizer às crianças que elas não podem «influenciar» quando crescerem.

Hoje em dia, os influenciadores têm as suas próprias plataformas de negócio.
Nem todas são casos de sucesso, mas são casos de estudo como aconteceu esta semana:
As aulas de criptomoedas de Windoh foram pirateadas e expostas. Hacker diz que é «burla», mas o youtuber nega.


A Fohr, por exemplo, oferece serviços de contratação de marcas influentes e, atualmente, ostenta mais de 50 marcas a explorar e 100 mil talentos.
Tal como outras, a plataforma facilita parcerias entre marcas influentes e fornece ferramentas para lançar campanhas com análises detalhadas.
Há dezenas de serviços semelhantes.

Em Portugal, estamos bem servidos com plataformas e agências: MilenarMedia, SocialPubli, SamyRoad, KeepitReal, e muitas outras com qualidade.

Os números mostram que estas plataformas e agências otimizam tempo, apoiando-se no planeamento de marketing e em processos otimizados, evitando dores de cabeça. 

  • 34% das marcas que realizam campanhas internas reconhecem  que encontrar influenciadores é o desafio mais significativo para elas;
  • 23,5% das marcas indicaram problemas na medição do ROI e resultados de campanhas;
  • 13% têm problemas na gestão de contratos e prazos.
    (fonte: influencermarketinghub)

Em alguns países, os influenciadores começam a criar sindicatos.

Em fevereiro, o sindicato do entretenimento SAG-AFTRA aprovou um «acordo de influência» que alargou a cobertura aos criadores de conteúdos patrocinados.

Em Hollywood, obter um «cartão SAG» é um direito de passagem. Abre portas a novas oportunidades, assistência jurídica e seguro de saúde.

Li com interesse que a Vestiaire Collective, um mercado de moda em segunda mão, que teve apoio de vários influenciadores para crescer, angariou uma ronda de $216M e tem agora uma avaliação de mercado no valor de $ mil milhões.

As marcas Kering, como Gucci, Saint Laurent, Bottega Veneta e Balenciaga, estão à venda na Vestiaire que cobra uma comissão de cerca de 20% pelos itens vendidos na sua plataforma.

Para o fim de semana, descontraiam com o novo documentário pipoca, da HBO, Fake Famous. A produção uniu 3 cobaias para fazer uma experiência: usar todos os truques possíveis para torná-los famosos.

BLOCKCHAIN & ARTE

Implicações morais da ressurreição: deepfakes

As deepfakes estão a tornar-se mais comuns e o crescimento tem sido exponencial!

🎬 As deepfakes são vídeos criados a partir de inteligência artificial e que reproduzem a aparência, as expressões e até a voz de alguém do mundo real.

No passado, a manipulação de rostos digitais era uma técnica restrita a profissionais de efeitos visuais.

O site de genealogia MyHeritage introduziu uma ferramenta que usa tecnologia deepfake para animar os rostos em fotos de parentes mortos. 😱😱😱

[Locker] The locker [id=92430] doesn't exist or the default lockers were deleted.

FUTURO

Robôs ganham direito de peões

Como os pequenos robôs proliferam nas calçadas e nas ruas da cidade, o mesmo acontece com a legislação que lhes concede generosos direitos de acesso e até os classifica, no caso do estado daPensilvânia (EUA), como «peões» (fonte Axios Cities).

Por que é importante: Os receios de um mundo urbano distópico onde as pessoas se esquivam a droides pesados e de movimento rápido colidem com os objetivos dos criadores de robôs – incluindo a Amazon e a FedEx – de instalar frotas de distribuição.

As leis são um trunfo para o robô de entregas Scout da Amazon e para o Roxo da FedEx, que estão a ser testados em cenários urbanos e suburbanos.

  • «A calçada é o novo espaço de debate quente que os drones aéreos eram talvez há três ou cinco anos », diz Greg Lynn, CEO da Piaggio Fast Forward, que fabrica um robô do tamanho de uma mala no valor de $ 3.250 chamado gita que segue o seu dono.
  • «Também há muitas pessoas a tentar implantar robôs em ciclovias», onde os bots podem ir mais rápido do que nas calçadas, disse ele.

Estados como Pensilvânia, Virgínia, Idaho, Flórida e Wisconsin aprovaram o que são consideradas regras liberais que permitem que robôs operem nas calçadas – provocando resistência de algumas cidades como Pittsburgh, que temem acidentes.

  • Na Pensilvânia, robôs «pedestres» podem pesar até 550 libras e dirigir até 19 km/h.

O resultado final: «Ainda estamos nos estágios realmente iniciais de decidir o que significa ter um robô a correr pela calçada», sublinha Nico Larco, diretor do Urbanism Next Center da Universidade de Oregon.

«O que acontece se esta coisa cair? O que acontece se quebrar? Onde está a responsabilidade? Que tipo de seguro precisa?»

«Por ser um desenvolvimento tão inicial, muitos legisladores realmente não tiveram tempo para pensar em quais são as ramificações.»

Nem eles, nem eu, nem nós.
Tudo muito novo.

DADOS

eBooks

São 2 documentos muito elucidativos.
 

  • Top 12 Tech Trends to Watch Closely (CBInsights)
  • How To Build a Wining GenZ Strategy. (App Annie)
[Locker] The locker [id=92430] doesn't exist or the default lockers were deleted.

Veja os meus cursos:
Curso Intensivo Marketing Digital
Curso Email Marketing  |  outros >

Breves

📌 
A União Europeia lançou uma lei sobre o «direito de reparação» que exige que os fabricantes de produtos eletrónicos e eletrodomésticos reparem os seus produtos durante até 10 anos. O esforço destina-se a reduzir o desperdício e vai atingir o auge da comédia 😄 quando as pessoas pedirem para reparar, em 2030, máquinas de lavar compradas em 2021.

📌 
A Amazon está em negociações para licenciar direitos exclusivos de transmissão de jogos da NFL na sua plataforma Prime Video, marcando a primeira vez que o gigante do comércio eletrónico licenciaria jogos que não são transmitidos ao mesmo tempo, em redes de televisão.


📌  
A China está a realizar muita investigação: As despesas de pesquisa e desenvolvimento na China representaram 2,4% do PIB do país em 2020, mais 10,3% do que em 2019.
Foram concedidas 3,6 milhões de patentes, mais 40% do que em 2020.

📌 
Os ganhos do Zoom foram incríveis, com as receitas nos últimos 3 meses de 2020 a aumentar 369%.

📌 
A Disney vai fechar dezenas de lojas de retalho e expandir a sua área de e-commerce.

📌 
A ByteDance, proprietária do TikTok, está a trabalhar num clone do Clubhouse, segundo a Reuters.