A melhor informação da semana cursos | auditoria digital | blog
a sua newsletter de marketing & economia digital
por Frederico Carvalho

Nota:
Esta semana entre formações de email-marketing, marketing digital para empresas, escrevi uma extensa análise de mercado: O monopólio da tecnologia explicado  
Acho que vão gostar. Pelo menos tem a dedicação de 2 dias inteirinhos na redação. 😊

O meu amigo Pedro Caramez, o maior especialista de LinkedIn em língua portuguesa, abriu as inscrições para o seu curso Linked2Power. Recomendo.

ANÁLISE EXTENSA
Google anuncia abanão na publicidade digital

Google anuncia abanão na publicidade digital

A Google planeia eliminar gradualmente a  possibilidade de as empresas rastrearem os utilizadores através da web, utilizando cookies.

O grande negócio: Os cookies são pequenas migalhas de informação digital que as empresas, anunciantes e websites têm usado para seguir o seu movimento através da Internet

Até certo ponto, as empresas de publicidade modernas como a Google e o Facebook são construídas em castelos de açúcar apetitoso com cookies.

Segundo a Google, este é um passo «em direção a uma web mais respeitadora da privacidade primeiro». (risos)😆

(⭐Pro ↓)

[sociallocker]

O peso da Google significa que esta alteração podia remodelar o negócio dos anúncios digitais, onde muitas empresas confiam no seguimento de indivíduos para direcionar os seus anúncios, medir a eficácia dos anúncios e impedir a fraude. 

De acordo com a Jounce Media, consultora de publicidade digital, o Google foi responsável por 52% dos gastos globais com anúncios digitais em 2020, no valor de 292 mil milhões de dólares.

De facto, a Google não só tem uma forma de direcionar os anúncios quase tão eficaz como o seu método só funciona verdadeiramente em escala.

Em muitos aspetos, porém, isto parece ser mais um movimento de relações públicas do que qualquer coisa de substancial.

Honestamente, não vai acrescentar grande coisa para garantir a privacidade de ninguém. O gigante de anúncios online anunciou parte desta «novidade» há um ano.

O impacto da nova abordagem da Google é muito mais limitado do que as pessoas possam imaginar. 

Quando se está dentro das paredes da Google – na pesquisa, no YouTube ou em mapas – ainda se pode ser rastreado. 

Isto também acontece com a Apple, que ajudou a dar o pontapé de saída a este impulso de privacidade, mas também está a construir o seu próprio negócio de venda de anúncios na App Store e Apple News.

Estas e outras plataformas, como o Facebook, Pinterest, Snap, terão uma visão detalhada das atividades dos seus utilizadores, que poderão implementar na venda de anúncios, já que isso tem impacto direto na sua rentabilidade.

Sim, será mais difícil para qualquer pessoa construir um perfil seu com base nos seus hábitos de navegação na Internet.   Ver aqui <

Perfil dos meus hábitos de navegação? 

Nos últimos anos, os browsers, incluindo Safari e Firefox, restringiram o uso de cookies devido à crescente preocupação com a privacidade dos utilizadores. O browser na web da Google, o Chrome, foi um dos últimos grandes sistemas a suportar ainda a prática. No entanto, atualmente,  o Chrome (com a sua quota de mercado mundial de 63%, e em Portugal com 73%) está a eliminar progressivamente os cookies para sempre.

Vai continuar a receber anúncios direcionados? 

Sim, os mecanismos que os alimentam estão a mudar.
Atualmente, utilizando cookies, a Google sabe que um utilizador está a comprar um novo curso de email-marketing, para mais tarde lhe mostrar um anúncio de outro produto relacionado, como um livro de marketing digital

O Sherlock Holmes online é a razão pela qual pode parecer que o anúncio com um produto está a segui-lo na Internet. 

Através de um programa chamado «Privacy Sandbox», a Google está a testar uma forma de as empresas direcionarem os anúncios para grupos de utilizadores com interesses semelhantes, em vez de o fazerem diretamente a indivíduos. 

Dessa forma, as empresas ainda podem servir anúncios direcionados, mas os seus dados de utilizador específicos são um pouco mais privados, uma vez que a Google está essencialmente a escondê-los numa multidão. 

O desafio dos cookies de terceiros

Um dos maiores desafios da eliminação gradual de cookies de terceiros era encontrar um substituto adequado. 

O anúncio, feito esta semana pela Google, mostra que a empresa está suficientemente confortável com os novos castelos que está a construir na «Privacy Sandbox» para destruir os antigos.  

Os cookies a um nível fundamental são sobre o rastreio baseado na nuvem. 

É como se cada utilizador possuísse  um cartão de identificação, que aparece visível  num website, e do qual retiram as suas informações e as enviam para um servidor centralizado juntamente com informações sobre o site que está a visitar, que ações realizou, etc.; 

Cada website recolhe o mesmo cartão de identificação e envia o mesmo tipo de informações para o mesmo servidor centralizado.
Vamos supor que este servidor centralizado se chama «Google».
Esta informação é anexada ao seu perfil, juntamente com quaisquer pontos de dados que a Google possa recolher nas suas próprias propriedades (o que é uma quantidade enorme: tudo, desde pesquisas a dados de mapas até à atividade de aplicações móveis através dos seus SDKs para Android e muito mais).

Uma vez na posse dessa  informação, vende o inventário aos anunciantes, tanto nas suas próprias propriedades como nas propriedades de terceiros. 

Inventário e não dados: os anunciantes não o conhecem, não sabem que sites visitou, ou qualquer outra informação – de facto, eles não se importam, apenas pretendem atingir algum tipo de objetivo comercial, desde a instalação de aplicações até ao comércio eletrónico e ao conhecimento da marca.

O anunciante informa a Google do objetivo que deseja atingir e quanto está disposto a pagar. Depois a Google aproveita a sua montanha de dados para encontrar os utilizadores certos para cada anunciante. 

Isto acontece em frações de segundo no momento em que se visita um website – através do seu cartão de identificação a Google sabe quais os anúncios que deve apresentar-lhe em função do histórico das suas compras e pesquisas.

A implementação desta «caixa de areia da privacidade» pela Google denomina-se Federated Learning of Cohorts (FLoC): um algoritmo de aprendizagem, detalhado nesta página do GitHub (é de código aberto).

 Funciona da seguinte forma:

  •  Dada a sua enorme quantidade de dados de primeira mão, a Google tem os ingredientes para criar os melhores conjuntos de formação de aprendizagem de máquinas do mundo. A empresa utilizará estes conjuntos de formação para criar modelos de aprendizagem de máquinas que se ajustam aos dados de um número arbitrário de coortes (grupos). A empresa diz que as coortes irão conter milhares de pessoas.
  •  A Google colocará então esses modelos de aprendizagem de máquinas na Google Chrome e nos sistemas Android, que têm ambos uma quota de mercado esmagadora.
  •  O Chrome e o Android mantêm um registo de cada website que visitar, correrão os dados resultantes através desses modelos de aprendizagem de máquinas, marcá-lo-ão como fazendo parte de uma dessas coortes, e reportam a sua coorte a qualquer website que visitar.

Por outras palavras, enquanto os cookies foram utilizados para o seguimento baseado na nuvem, as coortes serão utilizadas para o seguimento baseado no browser e, em vez de fazer corresponder o inventário de anúncios ao seu perfil na nuvem, a Google fará corresponder o inventário de anúncios ao seu perfil no seu browser (que nunca faz o upload dos seus dados pessoais).

Os anunciantes querem atingir objetivos comerciais, e a Google quer ganhar dinheiro, e se a melhor forma de satisfazer a indústria da privacidade é exigir que os utilizadores andem com etiquetas de grupo mais fáceis de entender do que com cartões de nome relativamente inúteis, então que assim seja.

A publicidade de propriedade e operada pela Google não será realmente afetada, o que é uma grande notícia para a empresa, dado que 84% das suas receitas provêm das suas próprias propriedades – que, naturalmente, terão o mesmo acesso aos dados da coorte que qualquer outra pessoa, apenas em conjunto com enormes quantidades de dados de primeira mão. 

Em última análise, tudo isto é possível porque a Google é proprietária do dispositivo onde os utilizadores navegam na web, quer seja o Chrome no PC/Mac/iOS, ou o Android. 

É verdade que a maioria da navegação no iOS acontece através do Safari, mas o Safari já cortou por defeito os cookies de terceiros; a posição da Google no iOS não é realmente muito pior do que era anteriormente.

Entretanto, todos os que não têm um browser ou um sistema operativo estão em muito pior forma, particularmente o Facebook, que irá obter dados muito menos úteis do Chrome assim que a proibição de cookies de terceiros entrar em vigor (o Facebook irá, naturalmente, compreender melhor as coortes do que qualquer outro fora da Google, mas já é uma fábrica de dados, pelo que prefere definitivamente dados a nível individual – Até tem anúncios em sites e newsletters sobre isso).

O movimento da Google é uma resposta ao lobby da privacidade, que está obcecado com a ideia de que seguir os movimentos das pessoas em troca de lhes direcionar produtos digitais gratuitos é de alguma forma maligno. 

O verdadeiro mal da privacidade, claro, é a exploração desenfreada de falhas de software por criminosos e espiões para roubar a informação dos titulares dos dados ou assumir o controlo dos computadores. 

Ainda esta semana a Microsoft alertou para quatro «falhas de segurança» no seu serviço de correio eletrónico empresarial Exchange Server. A Microsoft anunciou, num post de blogue, no final da terça-feira, que descobriu um novo grupo de hacking patrocinado pelo Estado chinês, ao qual chama Hafnium.

Este grupo  está a explorar vulnerabilidades no software Exchange Server para roubar dados de empresas, escritórios de advogados, grupos de reflexão e organizações não governamentais. A Microsoft confessou que foi a oitava vez em 12 meses que divulgou publicamente grupos patrocinados pelo Estado chinês visando instituições nos EUA. 

Se essa questão recebesse tanta atenção como a questão da privacidade da publicidade, talvez estivéssemos muito mais seguros. 

Voltando e finalizando o tema.

A Google pode possuir mais de metade do mercado de publicidade digital, colocar o seu rival direto de joelhos e receber elogios generalizados por o ter feito, mesmo quando os utilizadores dão menos informação pessoalmente identificável em troca de serem mais facilmente perfilados. 

Conteúdo relacionado:

  • A Google vai deixar de vender anúncios com base no seu histórico de navegação. Mas há um senão. Está prestes a começar a testar uma nova forma de o localizar no seu dispositivo. (WSJ)
  •  O Arizona (EUA) aprovou uma lei que obriga a Apple e a Google a deixarem de aceitar um corte tão grande de aplicações nas suas lojas. (The Verge
[/sociallocker]

AUDIO & PODCAST

A economia de influenciadores em expansão 

Esta semana, participei numa reunião com uma prestigiada marca brasileira de beleza e cosmética e o tema dos influenciadores veio à baila, onde não sou especialista, mas fui espreitar para estar informado.

Espera-se que o setor chegue aos 15 mil milhões até 2022 e, com novas plataformas e regulamentos pró-influenciadores, é cada vez mais difícil dizer às crianças que elas não podem «influenciar» quando crescerem.

Hoje em dia, os influenciadores têm as suas próprias plataformas de negócio.
Nem todas são casos de sucesso, mas são casos de estudo como aconteceu esta semana:
As aulas de criptomoedas de Windoh foram pirateadas e expostas. Hacker diz que é «burla», mas o youtuber nega.


A Fohr, por exemplo, oferece serviços de contratação de marcas influentes e, atualmente, ostenta mais de 50 marcas a explorar e 100 mil talentos.
Tal como outras, a plataforma facilita parcerias entre marcas influentes e fornece ferramentas para lançar campanhas com análises detalhadas.
Há dezenas de serviços semelhantes.

Em Portugal, estamos bem servidos com plataformas e agências: MilenarMedia, SocialPubli, SamyRoad, KeepitReal, e muitas outras com qualidade.

Os números mostram que estas plataformas e agências otimizam tempo, apoiando-se no planeamento de marketing e em processos otimizados, evitando dores de cabeça. 

  • 34% das marcas que realizam campanhas internas reconhecem  que encontrar influenciadores é o desafio mais significativo para elas;
  • 23,5% das marcas indicaram problemas na medição do ROI e resultados de campanhas;
  • 13% têm problemas na gestão de contratos e prazos.
    (fonte: influencermarketinghub)

Em alguns países, os influenciadores começam a criar sindicatos.

Em fevereiro, o sindicato do entretenimento SAG-AFTRA aprovou um «acordo de influência» que alargou a cobertura aos criadores de conteúdos patrocinados.

Em Hollywood, obter um «cartão SAG» é um direito de passagem. Abre portas a novas oportunidades, assistência jurídica e seguro de saúde.

Li com interesse que a Vestiaire Collective, um mercado de moda em segunda mão, que teve apoio de vários influenciadores para crescer, angariou uma ronda de $216M e tem agora uma avaliação de mercado no valor de $ mil milhões.

As marcas Kering, como Gucci, Saint Laurent, Bottega Veneta e Balenciaga, estão à venda na Vestiaire que cobra uma comissão de cerca de 20% pelos itens vendidos na sua plataforma.

Para o fim de semana, descontraiam com o novo documentário pipoca, da HBO, Fake Famous. A produção uniu 3 cobaias para fazer uma experiência: usar todos os truques possíveis para torná-los famosos.

BLOCKCHAIN & ARTE

Implicações morais da ressurreição: deepfakes

As deepfakes estão a tornar-se mais comuns e o crescimento tem sido exponencial!

🎬 As deepfakes são vídeos criados a partir de inteligência artificial e que reproduzem a aparência, as expressões e até a voz de alguém do mundo real.

No passado, a manipulação de rostos digitais era uma técnica restrita a profissionais de efeitos visuais.

O site de genealogia MyHeritage introduziu uma ferramenta que usa tecnologia deepfake para animar os rostos em fotos de parentes mortos. 😱😱😱

marketing-digital-frederico
[sociallocker]

Chamado de DeepNostalgia, a empresa reconheceu que algumas pessoas podem achar o recurso «assustador», enquanto outros o consideram «mágico».

A marca Mountain Dew publicou no YouTube uma caneca de chá de camomila do pintor Bob Ross

Acontece que há um episódio «perdido» em que Ross pinta uma garrafa de Mountain Dew.  Só que é uma falsificação profunda – Ross faleceu em 1995.

Analistas políticos e think tankers têm lançado o alarme sobre potenciais abusos da tecnologia a um público já profundamente conspiratório.

Há implicações morais da ressurreição de Ross?
Estas acrobacias de marketing são legitimas?

Já se fala disso na América.

A manipulação dos média será mais comum em todas as formas de média num futuro próximo, incluindo na publicidade, à medida que as técnicas melhorarem e os custos baixarem drasticamente.

Em janeiro de 2020, o Facebook anunciou que iria começar a banir vídeos com deepfake da sua plataforma. No blogue da empresa, a rede social afirmou que conteúdos deepfake manipulam a realidade.

📱 Um programa da Samsung, por exemplo, consegue criar vídeos falsos com apenas uma imagem de referência.

A tecnologia dos vídeos falsos evolui a uma velocidade muito maior do que a lei – o que impede a criação de uma única norma que os regule.

Ainda é preciso aprimorar os algoritmos e técnicas de reconhecimento de vídeos falsos, o que facilitaria o combate a conteúdos nocivos.

Além da evolução dos softwares, machine learning e sistemas digitais, há também a robotização física associada.

Na semana passada, um utilizador do TikTok chamado @deeptomcruise publicou alguns deepfakes realistas do ator. É surreal.

O DeepTom aparece a fazer truques de magia e a jogar golfe – e, honestamente, se não me tivessem dito que era falso, não saberia.

O @deeptomcruise teve mais de 346 000 seguidores e 1 milhão de apreciadores.

https://www.youtube.com/watch?v=n3dPBiQa5bw


O grande quadro das deepfakes

A tecnologia por detrás das deepfakes é uma ferramenta genuinamente nova de conteúdo criativo para Hollywood, empresas de tecnologia e fabricantes de jogos. 

Mas, como está amplamente disponível, a tecnologia também pode ser utilizada de forma enganosa. 

As plataformas poderiam utilizar termos de serviço para visar a distribuição não-consensual de deepfakes, enquanto os governos poderiam aprovar legislação. 

Mas a aplicação da lei exigirá métodos de deteção automatizados para acompanhar o ritmo das ferramentas de criação.

Depois de emergir da obscuridade em 2018, as deepfakes – que utilizam a aprendizagem mecânica e a IA para criar imagens e vídeos falsos hiperrealistas de pessoas – estão, mais uma vez, a captar a atenção das pessoas. 

O facto de as deepfakes serem cada vez mais credíveis talvez não seja surpresa. 

Os jornais académicos que citam a palavra deepfake explodiram, e o interesse global pelo Google tem permanecido elevado desde 2018.

Ainda é divertido, por agora.
Ou não…

Em 2019, uma aplicação móvel chamada FaceApp explodiu em popularidade, gerando transformações faciais altamente realistas que foram uma grande fonte de entretenimento para milhões de pessoas. 

Essa viralidade não durou muito tempo, uma vez que surgiram preocupações legítimas de privacidade sobre a utilização de dados pessoais por parte da aplicação. 

Desde então, surgiram aplicações semelhantes, como a Reface, que é provavelmente a tecnologia de falsificação profunda mais próxima que se tornou realmente «mainstream».

O risco de existir um vídeo falso, utilizado para informar mal milhões de pessoas, é um risco que parece cada vez mais provável. 

O verdadeiro problema: a grande maioria das deepfakes são utilizados para atingir as mulheres

Mais de 90% são pornografia não-consensual. E o problema está a crescer em contexto de pandemia, uma vez que as relações abusivas existentes têm-se agravado, e o abuso digital tem registado um aumento.

A atenção dos legisladores poderia também ajudar a proibir outras formas de violência sexual baseada na imagem, que têm sido anteriormente negligenciadas. 

Após anos de esforços de ativistas para alertar os legisladores para estas lacunas legais flagrantes, parece haver agora mais preocupação.

A empresa de cibersegurança Sensity revelou que um «ecossistema profundamente falso» no setor da pornografia espalhou-se através da aplicação de mensagens no Telegram. 

Os seus investigadores descobriram que os bots criaram mais de 104 000 imagens falsas, geradas por IA, de mulheres reais nuas. 

As imagens foram partilhadas em canais privados ou públicos, além do Telegram, para «ataques públicos baseados na vergonha ou na extorsão». 

A rede bot foi impulsionada na VK, a maior rede de comunicação social da Rússia.

O que se está a passar?

A tecnologia deepfake está a ser mercantilizada. 

Há alguns anos, era necessário treino na área da inteligência artificial para gerar falsificações profundas. Agora, qualquer pessoa pode tirar partido das funcionalidades de um smartphone para fins maliciosos ou inofensivos. 

A maioria dos países não tem leis claras que regulem o uso de deepfakes e, em vez disso, recorrem às leis de privacidade ou anti assédio existentes que já estão nos livros.

A Sensity descobriu atividade em canais públicos através da pesquisa de palavras-chave em Telegram.

Grupos privados e aplicações de mensagens encriptadas representam um desafio à deteção eficaz de falsificações profundas. 

Uma vez que esses serviços não são ilegais, os operadores promovem e rentabilizam livremente o seu serviço malicioso. 

Acredito que a maioria das plataformas ou empresas não estará a desenvolver internamente a camada necessária de segurança para deepfakes.
Vão responder o mesmo em relação aos temas da utilização indevida dos dados ou fakenews:

«Não é da nossa conta.»

Pergunta aberta:
O que pensam sobre a ética das deepfakes no marketing? 

Conteúdos relacionados:
MyHeritage offers ‘creepy’ deepfake tool to reanimate dead

[/sociallocker]

FUTURO

Robôs ganham direito de peões

Como os pequenos robôs proliferam nas calçadas e nas ruas da cidade, o mesmo acontece com a legislação que lhes concede generosos direitos de acesso e até os classifica, no caso do estado daPensilvânia (EUA), como «peões» (fonte Axios Cities).

Por que é importante: Os receios de um mundo urbano distópico onde as pessoas se esquivam a droides pesados e de movimento rápido colidem com os objetivos dos criadores de robôs – incluindo a Amazon e a FedEx – de instalar frotas de distribuição.

As leis são um trunfo para o robô de entregas Scout da Amazon e para o Roxo da FedEx, que estão a ser testados em cenários urbanos e suburbanos.

  • «A calçada é o novo espaço de debate quente que os drones aéreos eram talvez há três ou cinco anos », diz Greg Lynn, CEO da Piaggio Fast Forward, que fabrica um robô do tamanho de uma mala no valor de $ 3.250 chamado gita que segue o seu dono.
  • «Também há muitas pessoas a tentar implantar robôs em ciclovias», onde os bots podem ir mais rápido do que nas calçadas, disse ele.

Estados como Pensilvânia, Virgínia, Idaho, Flórida e Wisconsin aprovaram o que são consideradas regras liberais que permitem que robôs operem nas calçadas – provocando resistência de algumas cidades como Pittsburgh, que temem acidentes.

  • Na Pensilvânia, robôs «pedestres» podem pesar até 550 libras e dirigir até 19 km/h.

O resultado final: «Ainda estamos nos estágios realmente iniciais de decidir o que significa ter um robô a correr pela calçada», sublinha Nico Larco, diretor do Urbanism Next Center da Universidade de Oregon.

«O que acontece se esta coisa cair? O que acontece se quebrar? Onde está a responsabilidade? Que tipo de seguro precisa?»

«Por ser um desenvolvimento tão inicial, muitos legisladores realmente não tiveram tempo para pensar em quais são as ramificações.»

Nem eles, nem eu, nem nós.
Tudo muito novo.

DADOS

eBooks

São 2 documentos muito elucidativos.
 

  • Top 12 Tech Trends to Watch Closely (CBInsights)
  • How To Build a Wining GenZ Strategy. (App Annie)
[sociallocker] [/sociallocker]

Veja os meus cursos:
Curso Intensivo Marketing Digital
Curso Email Marketing  |  outros >

Breves

📌 
A União Europeia lançou uma lei sobre o «direito de reparação» que exige que os fabricantes de produtos eletrónicos e eletrodomésticos reparem os seus produtos durante até 10 anos. O esforço destina-se a reduzir o desperdício e vai atingir o auge da comédia 😄 quando as pessoas pedirem para reparar, em 2030, máquinas de lavar compradas em 2021.

📌 
A Amazon está em negociações para licenciar direitos exclusivos de transmissão de jogos da NFL na sua plataforma Prime Video, marcando a primeira vez que o gigante do comércio eletrónico licenciaria jogos que não são transmitidos ao mesmo tempo, em redes de televisão.


📌  
A China está a realizar muita investigação: As despesas de pesquisa e desenvolvimento na China representaram 2,4% do PIB do país em 2020, mais 10,3% do que em 2019.
Foram concedidas 3,6 milhões de patentes, mais 40% do que em 2020.

📌 
Os ganhos do Zoom foram incríveis, com as receitas nos últimos 3 meses de 2020 a aumentar 369%.

📌 
A Disney vai fechar dezenas de lojas de retalho e expandir a sua área de e-commerce.

📌 
A ByteDance, proprietária do TikTok, está a trabalhar num clone do Clubhouse, segundo a Reuters.