Empresas como a Apple, Amazon e Google, beneficiaram financeiramente com a pandemia que varreu o mundo em 2020, mas poucos dos gigantes da tecnologia têm as margens de lucro ou a atratividade da tecnológica Apple.

A multinacional norte-americana, que tem o objetivo de projetar e comercializar produtos eletrónicos de grande consumo como software e computadores pessoais, tem uma estratégia de diferenciação que promove a criatividade e a exclusividade, fatores críticos de sucesso numa marca no setor de luxo.

  • Durante 2020, as ações da Apple na bolsa subiram 74%, para o valor de $128 por ação, e está a caminho de um valor de mercado mundial de $2,2 triliões de dólares. (fonte J.P.Morgan)
  • A Apple nunca foi mais forte, graças aos ciclos de produtos nomeadamente no segmento de smartphones com o iPhone.
  • A Apple está alegadamente a aumentar a produção do iPhone 12
    em 30% na primeira metade de 2021.
  • O novo chip M1, concebido pela Apple, reenergizou a linha de computadores portáteis Mac.
  • As vendas estão a aumentar para dispositivos incluindo relógios e o novo AirPod de 549 dólares.
  • A reputação e a marca da Apple permite cobrar mais pelos seus produtos de última geração, como o iPhone 12 Pro, ou o Airpods Max.
  • Ao fazer vendas cruzadas e vendas adicionais (exemplo: recomendar adicionar memória ou mais espaço em disco armazenamento aos seus produtos) a marca aumenta mais a receita. (consideravelmente!).

Com custos baixos e preços premium aavaliação de mercado da Apple é maior que o PIB de Portugal, o PIB do Brasil, a capitalização de mercado da Boeing e a Nike, juntas.

Neste artigo reuni uma análise estratégica aos negócios e às iniciativas de marketing para produtos e serviços da Apple, bem como os desafios do mercado em constante mudança.

O mercado precisa de uma história.

Nos primeiros tempos, Abril de 1976 – Cupertino, Califórnia – a Apple fez um computador intuitivo. As noções de Steve Jobs sobre embalagens elegantes apenas apelavam a uma minoria de clientes, mas a arquitetura de Steve Wozniak atraiu um novo mercado de computadores pessoais.

O sector que inspira a estratégia moderna da Apple é a indústria do luxo.
A Apple decidiu trabalhar com a escassez para alcançar lucros que são quase impossíveis para as marcas de hardware de tecnologia comum.

A Apple tem 32% da receita global da indústria de telecomunicações móveis e 66% de todo o lucro no terceiro trimestre de 2019, de acordo com o relatório da Counterpoint Research. A receita da Apple é maximizada graças a serviços como iCloud, Apple Arcade, Apple Music, News + e muito mais.

As características tecnológicas da Apple, amplamente admiradas, significam que os seus telefones têm uma margem de lucro estimada em 60%.
Detalhamos as margens de lucro, mais em baixo no artigo, relativamente ao iPhone.

Os preços dos fabricantes chineses, dominam o mercado global e geralmente renunciam à rentabilidade para competir sobre a acessibilidade de preços.

A Xiaomi, por exemplo, tem margens de lucro de hardware em 5%, para maximizar a acessibilidade dos seus produtos. (fonte: the economist)
Leia mais sobre esta rivalidade no artigo Empreendedorismo e os negócios da China

Embora a Apple tenha preços premium é interessante perceber como é que as pessoas aceitaram a ideia da Apple como uma marca de luxo. 
O AirPods Max, da Apple, recorda-nos mais uma vez desse posicionamento estratégico com preço de 629€.

apple airpods max - marketing frederico
Hoje a Apple Inc. é uma das empresas mais valiosas do mundo.

A receita global da Apple ultrapassou 260 biliões de dólares no seu ano fiscal de 2019, caindo ligeiramente em relação ao recorde do ano fiscal de 2018.

A 19 de agosto de 2020, as ações atingiram 467,77 dólares e a Apple tornou-se a primeira empresa dos EUA a atingir a marca de valor de mercado, de dois biliões de dólares.

As ações da Apple contam uma história ainda mais impressionante: na última década, o preço das ações da Apple cresceu mais de dez vezes.

apple revenue - marketing frederico

Dados do final de 2020 da Apple Mostram que a empresa registou uma receita recorde no trimestre de US $ 64,7 mil milhões e lucro trimestral por ação diluída de US $ 0,73. As vendas internacionais responderam por 59% da receita do trimestre.

Em Dezembro 2020, a Apple continuava a ser a empresa de tecnologia com a maior capitalização de mercado.

A sabedoria das diferentes estratégias de lucro pode ser debatida.
E o mercado precisa de uma história.

A Apple não começou como uma marca de luxo.

Ondas constantes de produtos inovadores levaram ao enorme crescimento da Apple ao longo dos anos: o iPod, iPhone, Mac, iPad e Apple Watch são alguns dos produtos revolucionários com histórico de imenso sucesso comercial.

A estratégia e diferenciação aplicadas no mercado de luxo, podem inspirar qualquer setor de atividade. 

Como exemplo, em 2016, o iPhone 7 começou em $ 649. Três anos depois, o iPhone, produto estrela da Apple, custava 54% a mais. 

Se quiser um MacBook Pro de 13 polegadas, com 512 GB de armazenamento, terá que pagar US $ 400 a mais do que o modelo básico. E os acessórios da Apple também têm custos altos em comparação com produtos que não são da Apple: um teclado ( $ 129) ou um rato ( $ 79), até os cabos da Apple, custam mais. A empresa manteve o seu sistema de ligação relâmpago como proprietário, ao remover portas úteis, como os auriculares e o leitor de cartão SD, forçando os consumidores a comprar acessórios à parte.

Esses produtos valem o preço? A Apple adora falar sobre a sua inovação.


Esta gigante tecnológica, ao longo dos anos, construiu uma reputação de qualidade e design industrial dos seus produtos. Essa reputação criou milhões e milhões de clientes fiéis.

A abordagem aos clientes de luxo incorpora uma série de requisitos, como o desenvolvimento de produtos/serviços, gestão de relacionamento com o cliente e estratégia de marketing, que a Apple foi aperfeiçoando ao longo do tempo.

  • O Wall Street Journal, em 2015, fazia referências à Apple  Inc. “como uma marca de luxo de tecnologia, com um smartwatch que funde as fronteiras de joias e engenhocas. “
  • parceiro do Google Ventures , MG Siegler, disse: ” Não se trata do relógio em si. É sobre o que o relógio representa: uma nova Apple que é tanto moda quanto função.
  • Neil Cybart, um analista independente que escreve sobre a Apple,  disse que um dos objetivos desta multinacional era reposicionar a marca como uma marca premium, de luxo, para o mercado de massas.

O luxo é polémico: os produtos da Apple

A palavra “luxo” tem origem da palavra latina luxúria , que significa exuberância, excesso, abundância, mas também pode associar-se a originalidade, um status social.

O luxo sempre foi polémico e muitas vezes entendido como desigualdade social. O significado varia conforme as culturas, mas aplicado ao consumo é um termo moldado por designers, arquitetos e elite social para procurar envolver os consumidores na compra.

“Há uma estética, um ethos de design” 

(Editor da Quartz, Mile Murphy)

O luxo combina a nossa necessidade instintiva de transcender a condição humana e sentimo-nos mais próximos da perfeição.

Todos os produtos tornam-se uma extensão da nossa personalidade.

Os produtos da Apple são notoriamente conhecidos por serem caros e essa imagem vai ser mantida.

Há inúmeros exemplos de como a Apple reforçou o mercado no posicionamento de marca de luxo.

Inaugurada no início dos anos 2000, a loja da Apple contribui mais uma vez para a história de sucesso da marca: foi a empresa de retalho de grande consumo, mais rápida do mundo, a ultrapassar vendas anuais de mil milhões de dólares, com diversos produtos em centenas de locais no mundo inteiro.

Em 2010 a empresa procurou proteção federal para o design e o layout de uma loja de retalho. A Apple reivindicava os direitos de estilo em ter grandes painéis de vidro, design minimalista, características exclusivas pelas quais as lojas da Apple são conhecidas.

apple store eua
Ver imagens de outras Lojas Apple

O mercado doméstico da Apple, os Estados Unidos, tem a maior concentração dessas lojas – há 53 lojas da Apple apenas na Califórnia, considerando o número de lojas da empresa por cada estado.

Os seus produtos com preços premium são mais considerados como projetos com estilo de vida do que aparelhos de tecnologia.

Ser um fã da Apple é um hobby caro.

Os objetivos nascidos do marketing promocional, têm uma narrativa de origem e pertença, trazem ao mercado de grande consumo a ideia percebida entre uma experiência de vida e a sua utilidade no quotidiano.

A Apple decidiu lançar em 2020 o AirPods Max para consolidar o seu status de luxo.

“A Apple não é mais apenas uma empresa de eletrónicos”

 (Mike Murphy do Quartz )

Na atualidade alguns produtos associados à marca têm preços exuberantes.

  • Lançaram rodas Mac Pro de $ 700
  • O Apple Watch Edition de ouro 18k de $ 17.000
  • Mac Pro atual pode ser configurado para custar mais de $ 53.000!

Existe um estilo de vida associado à Apple e seus produtos caros, incluindo o iPhone X de $ 1.000 e o MacBook Pro de $ 2.000 +. 

A Apple há anos que cobra caro pelos produtos revestidos de alumínio, mesmo quando as suas ofertas não são as mais poderosas ou modernas, numa espécie de reconhecimento de que a empresa evoluiu das suas raízes, como uma operação de tecnologia, para um esforço mais centrado no estilo de vida. O seu ecossistema cuidadosamente construído de produtos elegantes, simples e fáceis de usar, carregam um senso de criatividade, sofisticação metropolitana.

Apple – Market Share de vendas por continente

apple-market-share
Região: No mundo todo
Período de tempo da pesquisa: 2012 a 2020
Notas suplementares: Os períodos trimestrais para o ano fiscal da Apple começam em outubro até final de dezembro do ano anterior (primeiro trimestre), início de janeiro ao final de março do ano indicado (segundo trimestre), início de abril ao final de junho do ano indicado (3 trimestre) e início de julho a final de setembro do ano em causa (4º trimestre).

EUA: o maior mercado da Apple

A Apple tem a maior participação de mercado entre os fornecedores de smartphones nos EUA, por uma grande margem. Embora as vendas internacionais tenham uma participação crescente na receita total da Apple , os Estados Unidos ainda representam cerca de 40% das vendas líquidas da Apple. 

Os Estados Unidos também têm a maior concentração de lojas da Apple, que é a própria rede de lojas de grande consumo, que exibe e vende vários produtos da marca, incluindo iPhone, iPad, Apple Watch, entre outros.

A Europa e a China são dois outros mercados importantes para a Apple.

Apple: Ciclo de inovação ou estagnação?

No livro “The Four” o autor Scott Galleway refere que Steve Jobs tornou-se o Jesus da economia inovadora – e o seu brilhante feito, o iPhone, tornou-se o condutor para o seu culto, elevado acima de outros artigos materiais ou tecnológicos..

Na primeira década do século XXI, a Apple embarcou no maior ciclo de inovação da história das empresas. Nesses dez anos, a Apple introduziu novos produtos e serviços, criando uma categoria após outra. O iPod, iTunes/Apple Store, iPhone, e iPad, várias inovações na indústria da tecnologia.

A par de tanto bem que fez pela Apple, Steve Jobs, pela sua obsessão criadora foi também, em simultâneo, uma força temerária e negativista na empresa, pois intimidava os empregados. As suas atitudes em torno da filantropia e inclusão eram mínimas e a sua personalidade de megalomania mantinham a Apple em permanente caos.

A sua morte pôs fim à histórica e desenfreada corrida de inovação e competitividade da empresa, mas também permitiu à Apple, sob a orientação de Tim Cook, concentrar-se na previsibilidade, rentabilidade, e escala.

revenue-apple-marketing-digital

Os lucros são um sinal de sucesso, e a Apple é uma das empresas mais bem sucedidas da história.

O CEO Tim Cook é mais um operacional de melhorias incrementais do que um showman – atualmente equilibra a forma e a função.

A linguagem de luxo da Apple é a simplicidade, a derradeira sofisticação.

Desde o estilo de design (superfícies brancas, linhas horizontais para fazer os computadores parecerem mais pequenos) até ao iPod, “1000 canções no seu bolso” – a simplicidade é uma obsessão na Apple.

A simplicidade implica uma aparência elegante e facilidade de utilização – quando a interacção com um objeto faz as pessoas felizes, a fidelidade à marca aumenta.

  • O iPhone introduziu os ecrãs tácteis.
  • O PowerBook as caixas de alumínio, mais leves do que a maioria dos materiais, um corpo mais fino e uma melhor condutividade térmica e um aspeto premium exclusivo.
  • Com o iMac, a tecnologia Apple apresentou-se surpreendentemente simples

A psicologia cognitiva mostra que os objectos atractivos nos fazem sentir bem, o que por sua vez nos torna mais resistentes aos desafios criativos.

Os preços elevados sinalizam qualidade e exclusividade.

A Apple, não é a Hermès. Não pode vender computadores ou telefones por vinte ou cem vezes o preço de uma marca de mercadoria. Mas cobra valores altos.

O que torna a Apple especial é sua capacidade de obter lucros maiores do que seus concorrentes. 

Em vez de uma empresa de tecnologia, pense na Apple como uma marca de luxo.

Os clientes pagam mais porque o logótipo é um símbolo de status. 

iPhone: o produto mais lucrativo da Apple

O iPhone, lançado inicialmente em 2007, tornou-se o produto de maior sucesso da Apple: a participação nas vendas do iPhone consistentemente corresponde a mais da metade da participação geral das vendas da Apple . 

No primeiro trimestre de 2015, o iPhone representava 18,3% dos smartphones vendidos globalmente, mas 92% dos lucros da indústria.

Em 2016 a Apple controlava 14,5% do mercado de smartphones, e captava 79% dos lucros globais dos smartphones.

As características tecnológicas da Apple, amplamente admiradas, representam em 2020 uma margem de lucro estimada em 60% nos seus smartphones.

Isso é marketing de luxo.

A revolução dos smartphones está a ser impulsionada por gigantes da indústria asiática.

Samsung (Coreia do Sul), Huawei (China), Xiaomi (China), ocupam o topo do mercado global de vendas, de acordo com os dados do IDC.

O mercado de smartphones aumenta no terceiro trimestre de 2020

No terceiro trimestre de 2020, os pedidos mundiais de smartphones alcançaram 348,0 milhões de unidades, e cresceram 22% em relação ao trimestre anterior. 

  • A Samsung recuperou a liderança, com alta de 2%, para 80,2 milhões de unidades. 
  • A Huawei caiu para o segundo lugar, com queda de 23%, para 51,7 milhões de unidades.
  • A Xiaomi conquistou o terceiro lugar pela primeira vez, alcançando 47,1 milhões de unidades com crescimento de 45%.
  • A Apple, em quarto lugar, não teve nenhum lançamento de iPhone no último trimestre de 2020, vendeu 43,2 milhões, queda de 1%
apple market share
Mercado global de smartphones, terceiro trimestre de 2020

Market Share Global de Smartphones

Global-Smartphone-Market-Data-2018-a-2020

Uma grande parte da receita da Apple vem do enorme sucesso do iPhone, um produto responsável por cerca de metade da receita total da empresa .

iphone12-pro-apple-marketing-frederico

Os preços dos fabricantes chineses, dominam o mercado global e geralmente renunciam à rentabilidade para competir sobre a acessibilidade de preços.

A Xiaomi, por exemplo, tem margens de lucro de hardware em 5%, para maximizar a acessibilidade dos seus produtos. (fonte: The Economist)

A sabedoria das diferentes estratégias de lucro pode ser debatida.

Margem de lucro dos iPhones da Apple

As primeiras gerações do iPhone revolucionaram a indústria de smartphones e popularizaram o seu uso. 

A 14ª geração, continua a contribuir para o sucesso do produto de assinatura da Apple, ajudando a impulsionar o crescimento anual das vendas do iPhone, apesar da pandemia de coronavírus (COVID-19).

Um estudo da Techwalls

SmartphoneCusto de produçãoPreço de retalhoMargem de lucro
Apple iPhone 12 Pro (128 GB)$ 406$ 99959,36%
Apple iPhone 12 (64 GB)$ 373$ 82955,01%
Apple iPhone 11 Pro Max (512 GB)$ 490,50$ 1.44966,15%
Apple iPhone XS Max (256 GB)$ 443$ 1.24964,53%
Apple iPhone X (64 GB)$ 389,50$ 99961,01%
Apple iPhone 8 Plus (64 GB)$ 295,44$ 79963,02%

Airpods Max

Graças à Revolução Industrial e ao aumento da prosperidade geral, o luxo, no século XX, chegou ao alcance de centenas de milhões de pessoas

A incursão da Apple no mercado dos auriculares com anulação de ruído ativo é dominado pela Bose e pela Sony, que têm o Bose 700 e o XM4 como produtos estrela. O Bose 700 e o XM4s, geralmente custa US $ 350 e é por isso que o preço pedido de US $ 550, para o AirPods Max, gerou muito debate nas redes sociais.

O novo AirPods Max da Apple tem um valor de mercado de 629€ e promete anulação de ruído, acústica avançada e até 20 horas de bateria.

airpods-max-apple

Em 2019, a Apple lançou uma versão avançada de auriculares sem fio, os AirPods. Os AirPods são agora um dos novos produtos de maior sucesso da Apple.

Ao mesmo tempo que anunciou o Airpods Max a Apple anunciou que planeia, começar a vender um serviço de fitness por assinatura que sincroniza com o Apple Watch, com um valor de 10€ por mês ou 80€ por ano. 

Apple Fitness+ no mercado doméstico

O lançamento da Apple em seis países dá à plataforma de treino Fitness +, um novo mercado para o fitness doméstico, no enquadramento de uma pandemia global.

Com o lançamento do Fitness +, a Apple pretende criar um novo ecossistema para o seu smartwatch: um estúdio de fitness virtual com aulas gravadas, baseado em assinatura, com lista de exercícios, de durações variadas, todas as semanas (tudo pronto para a batida da Apple Music) e com uma equipa inicial de 21 treinadores.

Apple Store

Além de seu hardware de sucesso, a Apple também começou a aumentar a receita gerada da sua loja de apps .

A App Store foi lançada em 2008 e o número de apps disponíveis na App Store tem crescido consistentemente desde o seu lançamento. 

Os analistas estimam que a App Store vai gerar US $ 20 biliões, em 2020, de acordo com o Visible Alpha. Isso representa cerca de um terço da receita total de serviços da Apple. 

O impacto final é ainda maior: a receita de serviços da Apple gerou margens brutas de 35%.

Muitas das apps mais populares da empresa são plataformas de redes sociais como o Facebook, Instagram e Youtube.

As apps de jogos são as mais populares. Os jogos também são uma categoria de apps com alto envolvimento do utilizador móvel. Em junho de 2020, o Roblox foi a app de jogo com mais vendas , gerando mais de 2,74 milhões de dólares americanos em receita por dia

Os modelos de receita mais comuns:

  • Apps gratuitas com compras na própria aplicação (mais comum);
  • Apps pagas à partida, para se poder fazer download;
  • Apps pagas com compras no próprio sistema. 

Spotify, Pandora e Amazon Prime Music competem com o próprio “Apple Music”, da Apple, para fornecer aos consumidores opções de streaming de música.

A empresa disse em Dezembro 2020 que vai cortar drasticamente a comissão que recebe em apps mais pequenas, distribuídas na sua App Store.

Para programadores que geram US $ 1 milhão ou menos em receita anual de seus apps na loja, o corte da Apple será de 15% em vez dos 30% que estão em vigor desde o início da App Store, em 2008.

A App Store é um importante segmento de negócios para a empresa, atuando como o principal impulsionador do crescimento da sua receita de serviços nos últimos dois anos fiscais, de acordo com documentos da Apple. 

Categorias de Apps com mais sucesso na App Store

App Store | Agosto 2020 | Fonte statista

Em 2020 as apps de jogos foram a categoria de iOS mais popular, respondendo por quase 22% dos downloads. As apps de negócios foram a segunda categoria mais popular na Apple App Store, com uma participação de 10,1% das apps ativas. 

Apple Macs e Macbook

O computador Apple Macintosh, lançado em 1984, tinha ícones atraentes e um visual personalizado que apelava ao coração.

apple-mac-1984-marketing-frederico

“Olá” ecrã.

Os artistas podiam expressar-se no Mac, criar beleza, e mudar o mundo.
Depois a grande novidade: a edição eletrónica. O software Adobe era unicamente adequado ao ecrã preciso e bitmapped do Mac.


A posse de um computador da Apple, tal como encarnada no famoso anúncio “1984”, reforçou a nossa crença de que os utilizadores da Apple eram diferentes.

Na altura, a maioria das pessoas não ia a lado nenhum com os seus computadores. Colocavam-nos em salas de informática.

A Apple pode vender milhões de iPods, iPhones, iWatches e Apple Watches, mas provavelmente apenas 1 por cento do mundo pode (racionalmente) comprá-los – e é assim que a Apple deseja.

Como pode inovar uma empresa com 36 anos?

A Apple anunciou, em novembro 20, que os seus computadores Mac têm um novo processador, um chip, batizado de M1, que vai substituir os processadores da Intel Corp. que alimentam a linha de Macs desde 2006.

A multinacional espera fazer a transição da sua linha completa de Macs para os seus processadores internos nos próximos dois anos. A adoção de um componente-chave, internamente, deve impulsionar as margens de lucro da empresa. 

A Apple tem vindo a projetar os seus próprios processadores para iPhone e iPad há uma década e o seu objetivo é substituir a posição da Intel em Macs.

O mercado de PCs há muito que é dominado pelos processadores x86 produzidos pela Intel e pela Advanced Micro Devices. Os processadores desenvolvidos com base no padrão concorrente da Arm Holdings, amplamente usados ​​em smartphones, tiveram muita dificuldade em penetrar no mercado de PCs, devido a compensações entre consumo de energia e desempenho.

A Apple vendeu mais de sete milhões de computadores Mac nos Estados Unidos somente em 2019.

iPad da Apple

Introduzido no mercado consumidor em 2010, o iPad é o tablet da Apple. Este dispositivo, em particular, foi pioneiro no mercado de tablets e visa preencher uma lacuna entre smartphones e laptops, oferecendo outra opção de dispositivo móvel para os consumidores. 

O iPad usa o mesmo sistema operacional e interface do iPhone e o iPod Touch. 

Até ao quarto trimestre de 2018 (3T’18 do ano civil), a Apple vendeu quase 425 milhões de iPads em todo o mundo, e lançou oito versões do dispositivo.

No quarto trimestre de 2020, as vendas do iPad geraram cerca de 6,8 mil milhões de dólares americanos em receita, um aumento de mais de 2 mil milhões de dólares americanos em relação ao quarto trimestre de 2019.

Receita global da Apple com as vendas do iPad 2010-2020

ipad crescimento de venda 2020

O iPad tornou-se o produto mais vendido na indústria de tablets e a participação do iPad no mercado de tablets dos EUA, permanente, é de 60%.

A participação de mercado da empresa tem diminuído constantemente ao longo dos anos.

A Samsung é o principal concorrente da Apple no mercado, enquanto as marcas chinesas Lenovo e Huawei, bem como a Amazon também têm participações de mercado significativas.

ipad growth

 

O último relatório da Strategy Analytics estima que o iPad teve um grande aumento de 33% nas remessas em comparação com o segundo trimestre de 2019, a maior taxa de crescimento dos últimos 6 anos.

Receando o escalar das tensões entre os Estados Unidos e a China, a Apple pediu à Foxconn, a sua principal fabricante chinesa, para deslocar parte das linhas de produção do iPad e MacBook para o Vietname.

Segundo a Reuters a gigante de Cupertino procura diversificar a localização das suas fabricantes, de forma a aliviar os impactos da guerra comercial.

À medida que os concorrentes fortalecem sua presença no mercado, o sistema operacional para tablets da Apple , iOS, perdeu a posição de sistema operacional para tablets líder, no final de 2012.

A partir do terceiro trimestre de 2019, o Android era o sistema operacional para tablets líder com 58 por cento de participação contra 29 por cento do iOS da Apple.

Market Share de sistema operativos

O mercado de sistemas operativos para smartphones e o mercado de sistemas operativos para tablets a nível mundial, tem apenas dois concorrentes reais: Apple e Android. (O Android é desenvolvido por um consórcio de programadores conhecido como Open Handset Alliance e patrocinado comercialmente pelo Google.)

fonte: statcounter

market-share-apple-global

MUNDIAL
Android: 38.83%
Windows: 32.37%
iOS: 16.57%
OS X: 7.31%
Outros: 2.95%
Chrome OS: 0.85%

market-share-apple-portugal

PORTUGAL
Windows: 56.4%
Android: 24.13%
iOS: 9.73%
OS X: 7.96%
Outros: 0.98%
Linux: 0.59%

As Américas são o maior mercado da Apple, gerando vendas líquidas de 27 mil milhões de dólares americanos no terceiro trimestre do ano fiscal de 2020 da empresa. 

Apple TV

A Apple TV marcou o esforço da Apple em entrar na indústria de entretenimento doméstico, que foi revolucionada por plataformas como Netflix e Amazon Prime.

A área de streaming permite que os utilizadores liguem as suas TVs à internet e assistam a filmes, ouçam música, joguem jogos, entre outros.

Nos Estados Unidos, a Apple TV tem uma participação de base instalada de cerca de 15% no mercado de reprodutores de mídia de streaming

A Apple TV +, é o serviço de vídeo on-demand da Apple que estreou em 2019 e produz o seu próprio conteúdo original de TV.

A projeção é que a Apple TV + terá cerca de 40 milhões de assinantes nos Estados Unidos em 2020; A Geração Z e a Geração Y são grupos maiores de utilizadores da Apple TV + , em comparação com outras faixas etárias.

A Netflix está presente em 56% dos lares nos EUA com acesso à banda larga (fonte: Parks Associates).

Em Portugal reina com cerca de 2,38 milhões de subscritores (estimativas da Marktest).

A Disney, tem mais de 100 milhões de subscritores a nível mundial, juntando os seus três serviços, Disney+, ESPN+ e Hulu.

A Comissão Parlamentar de Comunicação e Cultura em Portugal aprovou alterações à Lei do Cinema que preveem a aplicação de uma taxa de 1% da faturação dos operadores de (vídeo on demand) que trabalham no país. Os montantes coletados com a aplicação da taxa vão ser encaminhados para o Instituto do Cinema e do Audiovisual (ICA)

Hardware e a Apple

A Apple faz grandes produtos, mas raramente nos surpreende,
especialmente quando se trata de hardware.

Uma das área de maior aposta da Apple tem sido a sua chamada Unidade de serviços, a sua subscrição baseada Música da Apple, iCloud, e segmento de TV.

As subscrições recorrentes são bons negócios e os investidores têm prémios da empresa com um ganhos elevados múltiplos.

Os produtos mais inventivos da Apple, incluem o MacBook Pro, Apple TV, e vários modelos de iPod e iMac.

Embora tenham um preço premium, os produtos da Apple são abundantes no mercado, a grande maioria produzidos em fábricas na China.

A narrativa de suas marcas pode ter como objetivo obter luxo, mas suas realidades diárias – seja o dimensionamento excessivo ou o uso de materiais mais baratos – não o são.

A decisão de Steve Jobs de posicionar a marca tecnológica para uma marca de luxo é uma das visões mais consequentes e criadoras de valor na história dos negócios.

As empresas de tecnologia podem escalar, mas raramente são intemporais.

Os puristas do luxo comparam as características da indústria do luxo, tendo em mente marcas como Hermès, Brunello Cuccinelli, ou algumas das principais marcas de relógios, mas não encaram a Apple no mesmo segmento.

A Apple tem margens que nenhuma empresa tecnológica alguma vez conseguiu, tendo escalado metas improváveis – o produto de preço premium, e a produção de baixo custo.

As margens atuais da Apple são complexas em outras categorias de luxo.

  • As bolsas de mão da Bottega Veneta, é um produto de alto custo.
  • Nos automóveis, o preço premium, Ferrari, é tudo menos produção de baixo custo.
  • Nos hotéis, o preço premium, Mandarim Oriental, está longe de ser o produto de baixo custo com imensa operação.

Há quem diga que um produto de luxo é como um Rolex, que é possível guardar para o resto da vida. 

Um smartphone vai ter uma depreciação acentuada no tempo.