As pessoas estão a trabalhar mais tempo, mais horas, e muitas relatam níveis mais elevados de felicidade. Será assim?

Qual o impacto da tecnologia no futuro do trabalho?

Com os lockdowns a levantar, é provável que o trabalho a partir de casa seja opcional e os estudos indicam que um quinto do tempo de trabalho será passado em casa (um dia por semana) uma grande mudança em relação à norma anterior.

Mercado de trabalho pós-pandémico

A covid destruiu milhões de empregos, causando um terrível prejuízo para o
emprego que é 14 vezes maior ao que existia, após a crise financeira há uma década.

Em Portugal, um em cada dez trabalhadores (11%) está em situação de pobreza.

E a maior parte dos pobres não o são por não terem emprego ou por dependerem de apoios sociais que menorizem a ausência de salário; estão em situação de pobreza porque auferem salários baixos ou têm empregos precários.

As conclusões são do estudo “Pobreza em Portugal – Trajetos e Quotidianos”, promovido pela Fundação Francisco Manuel dos Santos e coordenado pelo investigador e professor universitário Fernando Diogo, que leciona Sociologia na Universidade dos Açores.

Em muitos países, o desemprego foi devastador entre os pouco qualificados.

Taxa de risco de pobreza no continente europeu

eurostat-pobreza-europa
Fonte: Eurostat retirado a Março 2021
O gráfico mostra a taxa de risco de pobreza que é a proporção de pessoas com um rendimento disponível equivalente (após transferência social) abaixo do limite de risco de pobreza, que é definido em 60% do rendimento disponível equivalente à média nacional .


A pandemia também acentuou desigualdades: os trabalhadores “essenciais” precisaram de continuar a viajar para e dos seus locais de trabalho, expondo-se ao vírus.

Há algum receio de que o mercado de trabalho pós-pandémico seja um mercado de desigualdade e desemprego persistentemente elevados, com trabalho subcontratado
no estrangeiro ou simplesmente entregues a robôs.

Finalizei recentemente a leitura do livro A Sociedade do Custo Marginal Zero do autor Jeremy Rifkin sobre a emergente Internet das Coisas que está a dar origem a uma economia colaborativa, baseada numa comunidade de bens comuns. É uma obra provocadora que explica de que forma a Internet está a fortalecer a produtividade a ponto de o custo marginal de bens e serviços ser quase igual a zero, tornando-os praticamente gratuitos, abundantes e independentes.


Pouco antes da pandemia ter atingido o início do ano passado, as pessoas tinham um novo conjunto de preocupações sobre o trabalho. O conhecimento generalizado é que os trabalhadores do século XXI estão presos a empregos inseguros e mal pagos e que muitos enfrentarão um futuro ainda pior, com o aumento dos robôs cada vez mais inteligentes.

Tendências atuais e futuras no trabalho remoto em todo o mundo de 2020 a 2021

trabalho-remoto-tendencias
Fonte:Statista

David Graeber, um antropólogo, cunhou o termo “empregos da treta” num livro best-seller em 2018.
Para onde foram todos os bons empregos?” perguntou David Blanchflower, do Dartmouth College, num livro publicado um ano mais tarde.

Nas últimas quatro décadas, trabalhadores do mundo inteiro suportaram a implacável
mudança tecnológica, salários mais desiguais e recuperações tépidas de recessões.

Hoje, à medida que a economia emerge da pandemia, uma inversão da primazia do capital sobre o trabalho acena.

A América está a mostrar como os empregos podem voltar rapidamente logo que o vírus recua.

Na Primavera de 2020, a taxa de desemprego do país foi de quase 15%. Agora já é apenas 6% após um ano, contando com cinco dos dez melhores meses de contratações da história.

A perceção do público de como é fácil encontrar um emprego não é transversal.
Na Europa, que sofre uma terceira vaga de infeções, o mercado de trabalho está a adaptar-se às medidas de contenção do vírus.

Taxa de Desemprego em Portugal vs Mundo

PaísTaxa de Desemprego (Abril 2021)
🇺🇸 EUA6%
🇬🇧 Reino Unido6,1%
🇵🇹 Portugal8,2%
🇪🇺 Zona Euro8,3%
🇧🇷 Brasil14,5%
🇪🇸 Espanha16,8%
🇦🇴 Angola30,6%
Dados do FMI – 13 de Abril 2021

Em Portugal, a continuidade das medidas de subsidiação do emprego (lay-off simplifica, apoio à retoma) e pelos programas de formação profissional, evitaram que muita gente seja classificada como não tendo trabalho.

A Taxa de Emprego em Portugal aumentou para 54,5 por cento no quarto trimestre de 2020, de 53,90 por cento no terceiro trimestre de 2020

taxa de emprego em portugal

A recente crise de saúde devido à pandemia COVID-19 afetou o emprego na União Europeia. 

Para evitar as consequências negativas da crise COVID-19 sobre o emprego e as empresas, foram implementadas medidas em muitos Estados-Membros da UE, como a redução do tempo de trabalho ou o apoio financeiro às empresas

Nas primeiras semanas da crise devido à pandemia de COVID-19, isso manteve os empregados relativamente seguros nos seus empregos, evitando demissões em massa. 

Abril 2021 caracteriza-se pela redução das medidas de contenção em muitos países e consequente retoma da atividade, embora em graus diferentes consoante os países e os setores de atividade.

Tecnologia, a grande alteração no mercado de trabalho

Os robôs vão criar exércitos de empregos ociosos e precários e estão a deslocar os estáveis e até trabalhadores prósperos, para uma espécie de acorrentados a emails e ecrãs.

robos e emprego

🇯🇵 Países com maior automatização, como o Japão, desfrutam de uma taxa de desemprego incrivelmente baixa. 2,4% em 2019 e 2,8% em 2020.

O futuro a longo prazo do trabalho mudou para melhor este ano, porque se tornou mais digitalizado.

O trabalho à distância é aliviar o gargalo das casas caras em cidades prósperas.

Os trabalhadores em casa relatam níveis mais elevados de felicidade e produtividade.

Pessoas empregadas entre os 15 e 64 que, às vezes ou geralmente, trabalham em casa em alguns países europeus.

teletrabalho-em-casa-europa
Em 2019, 16,1 por cento dos trabalhadores na União Europeia podiam trabalhar em casa, com a Suécia tendo a maior proporção de pessoas com 37,2 por cento. Em contraste, apenas 1,1 por cento dos trabalhadores na Bulgária trabalhavam em casa, a menor proporção entre os países europeus.


No final de 2020, as empresas americanas gastaram 25% mais em computadores, em termos reais, do que um ano antes.

Em Portugal a procura por computadores continua imparável em 2021, apesar dos problemas logísticos e a escassez de componentes que se tem verificado. No primeiro trimestre de 2021, as vendas de computadores – o que inclui desktops, portáteis e workstations – cresceu 55,2% em comparação com o ano anterior, uma percentagem impressionante que reflete a popularidade continuada deste segmento durante a pandemia de covid-19.

Os dados do mais recente relatório trimestral da IDC indicam que a Apple foi a marca que mais cresceu neste início de ano, com as vendas de computadores Mac a dispararem 111,5%. A fabricante de Cupertino é a quarta maior fabricante mundial e a sua quota de mercado subiu de 5,8% no início de 2020 para os atuais 8%.

No topo a fabricante chinesa Lenovo lidera o mercado, com 24.3% de quota e um crescimento de 59,1% em unidades vendidas. A HP está em segundo, com 22,9% e uma subida de 64,1%, e a Dell Technologies encerra o pódio com 15,4% do mercado (subida de 23,4% face ao mesmo período de 2020).

Mesmo pessimistas como o economista Robert Gordon, esperam esta explosão de
investimento tecnológico para obterem uma produtividade mais rápida e
crescimento, o que significa salários mais elevados.

O crescimento dos trabalhadores independentes, temporários – GIG ECONOMY

Uma idade de ouro para os trabalhadores é bem-vinda.

O espaço de trabalho flexível, o coworking, os espaços de escritórios com serviços que permitem o aluguer de curto prazo para pequenas empresas, freelancers, empreendedores e outros profissionais fazem parte da GIG Economy e estão a mudar o setor do imobiliário comercial nas grandes cidades. 

Evolução do trabalho remoto

25% dos entrevistados numa pesquisa recente afirmam que estabelecer limites é a prioridade mais importante para eles, mais do que qualquer outra resposta possível. Isso é especialmente pertinente, pois os esgotamentos ocorrem com mais frequência e equilibrar a vida privada com a vida profissional é uma forma de manter a saúde mental e ser produtivo. Outra área importante é permanecer produtivo e focado

Os novos espaços de trabalho urbanos oferecem instalações totalmente equipadas, geralmente com receção e salas de reuniões.

O desenvolvimento de capital humano e requalificação, é muito importante, porque traz requalificação de colaboradores, novas competências e ética de trabalho dos funcionários, a fim de melhorar o desempenho geral do local de trabalho.

O processo mais amplo de absorção de informações para aumentar as habilidades numa variedade de contextos, permite que os funcionários lidem melhor com situações inesperadas por isso as áreas da liderança e comunicação merecem destaque no futuro do trabalho.

As empresas jovens são tipicamente mais rápidas a expandir-se.

Em comparação com a recessão após a crise financeira, os sites de procura de emprego como o netempregos, Indeed e LinkedIn são agora mais amplamente utilizados.

Isto torna mais fácil para que as empresas encontrem trabalhadores, e vice-versa.

Nas primeiras semanas da pandemia, muitas indústrias, incluindo os centros de distribuição e trabalhos para entrega de comida online, lutaram contra a escassez de mão-de-obra,.

Diferentes investigadores fizeram previsões diversas sobre quantos empregos podem estar em risco com a automação.

Enquanto os professores e autores Carl Benedikt Frey e Michael Osborne citam números bastante elevados nas suas publicações, a Organização para Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) acredita que há muito menos empregos em risco.

As perdas de emprego são concentradas entre os grupos de baixos rendimentos (embora não seja mais longo o caso de as mulheres serem mais afectadas do que os homens).

A pobreza é mais elevada do que era antes da covid19 , especialmente entre as famílias precárias e étnicas. E o impacto do encerramento de escolas na educação das crianças poderia durar décadas.

Há quem argumente que a covid19 acabará por fazer as coisas melhor, acelerando as mudanças que já estavam em curso.

Graças ao aumento do trabalho à distância, mais pessoas terão mais flexibilidade sobre quando, onde e como ganham o seu sustento.

Poucos patrões ficarão totalmente indiferentes se os seus empregados estão a trabalhar em Lisboa ou Nova Iorque. Mas a mudança para um modelo de trabalho híbrido, com alguns a terem lugar num escritório e outros em casa, já está a forçar os gestores a tornarem-se melhores comunicadores, melhorando a satisfação profissional dos empregados.

Na Europa, o desemprego entre as pessoas com educação terciária é marginalmente maior do que era antes da pandemia, mas muito maior entre os alunos que abandonam o ensino secundário.

As vacinas irão permitir que às pessoas mais pobres encontrar trabalho de novo – ou será que vão achar difícil durante anos?

A intervenção no combate à pobreza não pode ser apenas uma intervenção junto da população em situação de pobreza. Tem de ser também um desígnio e uma mudança social.

De acordo com a Rede Europeia Anti-Pobreza, Portugal é o 8.º país da União Europeia com maior nível de desigualdade.


Mesmo que a ameaça covid19 passe inteiramente, as pessoas podem ficar mais
avessas ao risco, porque estão mais frequentemente a trabalhar a partir de casa.

A procura do tipo de empregos com baixos salários que ajudam as pessoas
fora das suas casas – tais como pessoal de serviço, trabalhadores de hotel ou de voo,
tratadores – pode ser inferior ao que era.

Qual das tecnologias beneficiaria os funcionários, proporcionando um melhor ambiente de trabalho?

trabalho-remoto-tecnologias-funcionarios
Fonte: Statista Abril 2021

Dispositivos de colaboração que permitem que os funcionários se comuniquem com mais eficácia uns com os outros, partilhando informações sem esforço, estão entre as tecnologias escolhidas com mais frequência para ter um impacto benéfico no fornecimento de um ambiente de trabalho melhor. 

À medida que os processos de transformação digital aceleram entre as empresas em todo o mundo, os funcionários beneficiam das escolhas inteligentes das organizações, para investir em locais de trabalho inteligentes, que melhoram a produtividade e a segurança.


A pandemia pressagia um maior papel para os governos do que se poderia esperar anteriormente, especialmente na manutenção do emprego, fazendo mais para reduzir a desigualdade e criando sistemas mais bem concebidos de direitos e benefícios sociais dos trabalhadores.

Crescimento de novas empresas

🇺🇸 A América assistiu a um boom de novas empresas.

Em 2020, foram criadas 1,5 milhões de empresas, um aumento de 16% em relação a 2019. Outros países, tais como o Reino Unido, Canadá e França, assistiram a um aumento igualmente grande, na formação de empresas. no segundo semestre de 2020.

Em 2020 foram criadas 37.589 novas empresas em 🇵🇹 Portugal, menos 11.604 que no período homólogo de 2019, o que traduz um decréscimo de 23,6%.

O número de insolvências foi inferior a 2019, registando-se uma diminuição de 1,4%, de acordo com o estudo da Iberinform. O número mais significativo de novas constituições verifica-se em Lisboa, com 11.912 novas empresas, e no Porto, com 6.681 constituições. 

Portugal não está a conseguir atrair investimento estrangeiro em escala e muitas empresas, escolhem os Países Baixos para beneficiar de impostos mais baixos e menos burocracia.

No caso do PSI-20 (o índice da Bolsa de Lisboa), 90% das empresas cotadas sediaram a sua holding na Holanda, como forma de não pagar parte dos impostos em Portugal enquanto distribuem milhões em dividendos aos acionistas.  (fonte: Jornal Económico)

  • Em Portugal, há dupla tributação de dividendos às empresas que detêm mais de 10% do capital de outra empresa ou uma posição por mais de um ano. Na Holanda, basta ter mais de 5% do capital da sociedade para não ser duas vezes tributado.
  • O pagamento de juros também é mais favorável nos países baixos: em Portugal, o pagamento de juros é muitas vezes retido na fonte. 
  • O regime fiscal holandês é mais estável, não muda leis com tanta regularidade. Em Portugal criam-se e alteram-se impostos, pelo governo em exercício, muitas vezes a reboque de acontecimentos imediatos, o que provoca alguma incerteza.

Devemos criticar a Holanda por seduzir as nossas empresas ou aprender?
Não podendo estar contra práticas empresariais que são legais nem contra países que gerem a política fiscal de forma mais inteligente, é preciso aprender e fomentar o investimento nacional, particularmente o estrangeiro.

Curiosamente li recentemente que Portugal conta com uma plataforma para mostrar todas as informações sobre as startups nacionais. Para saber dados como o número de startups, investidores e funcionários esta plataforma foi tornada pública no dia em que os países da União Europeia se comprometeram a criar todas as condições para apoiar o nascimento de novas empresas tecnológicas.

Precisam-se de mais iniciativas do género.

O mundo híbrido do emprego

A alteração para um mundo híbrido de trabalho significa que as empresas “apenas à distância” continuarão a ser uma pequena minoria.

As cidades não ficarão vazias.

As empresas não vão trocar o seu pessoal a tempo inteiro por freelancers, o que
poderia ser tentador se a força de trabalho fosse totalmente remota.

A pandemia trouxe ensinamentos que vão forçar os gestores a melhorar o seu escritório.

O trabalho à distância forçou as pessoas a comunicarem melhor.

Os Gestores não podem apenas esperar que os colaboradores se apoderem de informação por osmose, como num escritório. Em vez disso, têm de trabalhar para comunicar a mensagem nos canais de comunicação e desenvolver processos para garantir a prossecução das tarefas.

Isto pode ser feito à maneira tradicional e é sempre eficiente: pegar no telefone.
Mas com as novas tecnologias, parece cada vez mais em desuso.

A pandemia tem encorajado os gestores a terem mais confiança na tecnologia, o que permite os trabalhadores comunicarem e colaborarem eficazmente, mesmo quando estão fora do escritório.

Reforma da educação para o futuro do trabalho

Além das mudanças na legislação laboral para oferecer uma melhor proteção para trabalhadores que passam menos tempo no escritório, a área do ensino precisa de ajustes.

A educação desempenha um papel vital no contexto económico e social.
Há uma infinidade de sistemas educacionais diferentes, cada um com as suas próprias atitudes e abordagens para educar a sua população. 

Os sistemas de educação mais bem sucedidos do futuro serão, sem dúvida, aqueles que serão capazes de se adaptar mais rapidamente às novas tecnologias e oferecer aos alunos acesso à infraestrutura digital. 

Isso foi refletido no PISA(Programa de Avaliação Internacional de Alunos em países Europeus)  nos mais recentes resultados que mostraram que os alunos da Estónia foram os mais adaptados da Europa, ficando em primeiro lugar em todas as três categorias (Leitura, Matemática e Ciências). 

ensino educacao Programa de Avaliação Internacional de Alunos

Juntamente com seus vizinhos na Escandinávia, as escolas da Estónia têm um dos melhores acessos às novas tecnologias nas suas salas de aula, com 91 por cento das suas escolas secundárias com acesso a WI-FI em comparação com a média europeia de 67%

Aproximadamente 93% dos alunos do ensino médio na Finlândia frequentaram escolas com acesso sem fio à Internet, em comparação com apenas um quinto dos alunos franceses neste nível.

Curiosidades:

ESCOLAS
Proporção aluno-professor nas escolas primárias na França: 19,5
Proporção aluno-professor em escolas secundárias no Reino Unido: 17,2

Salário inicial médio para professores do ensino primário na Alemanha: 50 522,91
Salário inicial médio para professores do ensino secundário na Letónia: 12 109,07
Salário inicial médio para professores do ensino secundário na Espanha: 37 999,69€
Salário inicial médio para professores do ensino secundário em Luxemburgo: 70 389,90

ensino secundário online

Os alunos em muitos países pobres têm muito pouco tempo para aprender.

No Botswana, apenas cerca de metade dos jovens de dez anos de idade pode ler e compreender uma simples história. Na América, a taxa é de 92%.

Na maioria dos países subsarianos, os números são muito piores.
Este desfasamento de oportunidades, abrange um quadro negro nos processos de trabalho, com realidades distintas pela falta de educação.

O que muitas escolas têm em comum são sistemas que se agarram a currículos sobrecarregados. Aos professores falta a formação, não há praticamente requisitos mínimos a lecionar, formação pedagógica obrigatória, ou em muitos casos permissão para desviar-se do programa definido pelos manuais escolares.

Alunos que não compreendem a alfabetização básica e os números, não verão muito
sentido em tudo o que vem a seguir.

Estes problemas de longa data arriscam-se agora a agravar com os danos do encerramento das escolas causados pela pandemia. De acordo com a UNESCO, as escolas da África subsariana fecharam 23 semanas.

Número de escolas fechadas no Mundo (Março 2021)

escolas fechadas
Fonte Statista. Em março de 2021, escolas foram fechadas em 57 países em todo o mundo. Em 95 países, as escolas permaneceram abertas com limitações, enquanto apenas 26 países em todo o mundo mantiveram as suas escolas abertas. Ao todo, cerca de 682 milhões de alunos em todo o mundo residiam em países onde as escolas foram totalmente fechadas.

Um estudo das crianças afetadas por um terramoto no Paquistão em 2005 descobriu que acabaram por ficar para trás por um ano e meio, quando as salas de aula fecharam durante 3 meses.

A pandemia pode criar novos obstáculos. Em locais que requerem um distanciamento social rigoroso, os funcionários tiveram de reduzir as horas. Os alunos passam a comparecer nas escolas por turnos. Isso só intensifica as batalhas sobre a forma como o tempo de sala de aula é passado.

O trabalho e a vídeoconferência

As pesquisas online relacionadas a home office e trabalho remoto aumentaram em todo o mundo desde o surto global de coronavírus

. À medida que empresas em todo o mundo começaram a mover trabalhadores para instalações de trabalho remotas, o interesse online, em políticas e configurações de teletrabalho , cresceu exponencialmente desde fevereiro de 2020.

As Plataformas de videoconferência, tais como Microsoft Teams e Zoom (agora tão ubíquo que se tornou um verbo), tornou o trabalho à distância possível.
Antes, os trabalhadores precisavam de permissão para trabalhar a partir de casa, agora precisam de autorização para ir para o escritório.

O número diário de participantes nas reuniões Zoom saltou de cerca de 10 milhões no final de dezembro 2019, para mais de 300 milhões quatro meses mais tarde. (Fonte: Zoom)

A mudança tem sido boa para o planeta.
A videoconferência utiliza menos de um décimo a energia necessária para reuniões presenciais, uma vez contabilizadas as viagens e o equipamento.

Em termos da sua saúde mental e as relações com os colegas, são menos claras.
Alguns passaram a gostar de interagir através de ecrãs. Outros estão exaustos pela incapacidade dos seus colegas em dominar o botão de silêncio ou foco. Independentemente do que as pessoas sintam, o trabalho virtual vem para ficar.


Muitos estão a sofrer de fadiga de Zoom.

Uma nova investigação da Universidade de Stanford apresentou a ciência por detrás do argumento.

O primeiro problema com as videochamadas é que obrigam as pessoas a olhar fixamente aos seus colegas de perto. Alguém que aparece num ecrã portátil usando a configuração padrão no Zoom, torna o rosto tão grande como se tivessem os dois a 50cm de distância um do outro.

A tal proximidade o cérebro está ligado para esperar um murro ou um beijo. O contacto visual interminável faz a experiência ainda mais stressante.

As pessoas raramente fecham os olhos por muito tempo durante as reuniões em presenciais.

Jeremy Bailenson, diretor da Interaction Lab da Universidade de Stanford
e o autor principal do estudo, compara a experiência com a de empurrar os colegas de trabalho para um elevador e proibi-los a desviar os seus olhares.

A videoconferência também elimina importantes comunicações não verbais.

As pessoas acenam dramaticamente com a cabeça num esforço para enviar sinais não-verbais, que em reuniões presenciais enviam naturalmente.

As pessoas falam 15% mais alto em videochamadas do que em pessoa, o que se torna cansativo. Atrasos na transmissão, é algo comum, com falhas na internet, tornando a comunicação ainda mais difícil. Um intervalo de apenas 1,2 segundos faz com que os participantes pareçam menos atentos, amigáveis e conscienciosos.


O trabalho virtual tem vantagens. As videochamadas todos aparecem como um igual de tamanho, dispostos de forma aleatória; que tem uma certa democracia.

Marcadores de estatuto, tais como tomar o lugar à cabeça da mesa ou ao lado do chefe, desapareceram.

Se as diferenças de tempo o permitirem, as pessoas em qualquer parte do mundo podem ouvir os seus chefes diretamente em reuniões gerais e podem colaborar com colegas distantes.

Alguns sentem-se desconfortáveis por esbaterem os limites entre as suas casas
e o trabalho, mas também está a ajudar os colegas de trabalho a conhecerem-se uns aos outros.

Um em cada cinco pessoas já conheceram os animais de estimação dos colegas ou famílias, durante a pandemia, de acordo com um inquérito da Microsoft. Isso gera camaradagem.

Um em cada seis chorou com um colega de trabalho com o stress dos lockdowns cobram o seu pedágio, de acordo com a mesma sondagem.

Crescimento em Portugal

Portugal não fica nas primeiras posições em termos de crescimento na zona euro, longe disso.

Os dados históricos até 2020 e as projeções do FMI a partir de 2021 sinalizam um crescimento médio anual da economia portuguesa de 1,1% entre 1999 e 2026, indicam os cálculos do Expresso a partir da base de dados do “World Economic Outlook” (WEO), do Fundo Monetário Internacional (FMI).

Penalizado pela “década perdida” — a primeira década do euro — a dupla crise
— financeira internacional e da dívida soberana, culminando na chegada do coronavírus.

marketing-digital-frederico

A Transição digital pode levar à perda de postos de trabalho?

Segundo o Plano de Recuperação e Resiliência, em Portugal, prevê-se que seja possível formar 800 mil trabalhadores com competências digitais. Se é verdade que
a transição digital pode colocar em causa determinados postos de trabalho, estas medidas de impulsionamento dessa transição digital, podem também gerar novas oportunidades